Casos de Hidatidose no Vale do Juruá: Equipes de Saúde do Acre são Treinadas pela Fiocruz

Date:

Share post:

Cerca de 90 casos suspeitos de Hidatidose, também conhecida como doença da paca, foram registrados em moradores de Cruzeiro do Sul, Rodrigues Alves e Mâncio Lima, no Vale do Juruá, interior do Acre. A Secretaria de Saúde do Acre (Sesacre) e a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) estão acompanhando esses casos. Equipes do setor de Vigilância em Saúde da Regional receberam treinamento da Fiocruz para lidar com a doença, abordando sua etiologia, sinais clínicos, epidemiologia, tratamento e diagnóstico. A infecção em humanos ocorre principalmente pela ingestão de alimentos ou água contaminados com fezes de cães que se alimentaram de vísceras cruas de pacas infectadas. A Sesacre está estudando a implantação de fluxos de diagnóstico fecal canino para acelerar os resultados e identificar a relação entre cães infectados e pessoas doentes.

As equipes de Vigilância em Saúde do Acre estão em contato com o Ministério da Saúde para receber orientações sobre as medidas de prevenção e controle da Hidatidose. A Fiocruz tem desempenhado um papel importante na capacitação dos profissionais de saúde e educação do Vale do Juruá, fornecendo subsídios para identificação de locais de maior risco, ciclo da doença, número de casos e formas de prevenção e controle. A doença, causada pelo parasita Echinococus vogeli, pode resultar em sintomas como emagrecimento, febre, náuseas, vômitos, diarreia e dores abdominais. Medidas simples, como higienização pessoal e evitar o fornecimento de vísceras cruas para cães de caça, são recomendadas para prevenir a infecção.

A regional do Vale do Juruá, no Acre, enfrenta um surto de Hidatidose, uma doença causada pelo parasita Echinococus vogeli, conhecida popularmente como a doença da paca. Até o momento, foram registrados 90 casos suspeitos em moradores de Cruzeiro do Sul, Rodrigues Alves e Mâncio Lima. A Sesacre e a Fiocruz estão acompanhando os casos e equipes de Saúde foram treinadas para lidar com a doença. A infecção em humanos ocorre principalmente pela ingestão de alimentos ou água contaminados com fezes de cães alimentados com vísceras cruas de pacas infectadas. A Sesacre está buscando agilizar os diagnósticos por meio da implantação de fluxos de diagnóstico fecal canino. Medidas de prevenção, como higienização pessoal e evitar o contato das crianças com fezes de cães, são recomendadas.

spot_img

Notícias relacionados

Educação como ferramenta de mudança: Investimentos no futuro dos mais pobres

A educação tem sido reconhecida globalmente como um dos pilares fundamentais para o combate à pobreza e a...

Teatro Goiânia recebe espetáculo “Entre memórias”

Sobre memórias e aprendizados, a apresentação de dança será às 19h30 O Teatro Goiânia, unidade da Secretaria de Estado...

Studio Y no Bloco do Carneiro

O Studio Y estará presente no Bloco do Carneiro, no Deck Mambo com sua tradicional ação de retoques...

Palavra Comunicação lança Videocast

As jornalistas Alessandra Câmara e Bia Tahan, da Palavra Comunicação, lançam nos próximos dias o Videocast: Com a...