30°C
Overcast clouds

Aberta consulta pública sobre Estratégia Nacional de Inovação em Turismo

A partir desta segunda-feira (30/8), cidadãos de todo o país têm a oportunidade de apresentar sugestões à Estratégia Nacional de Inovação em Turismo 2021-2024 (ENIT), que seguirá sob consulta pública até 30 de outubro por meio da plataforma Participa + Brasil, do Governo Federal (Participe AQUI). Estruturada pelo Ministério do Turismo após um diagnóstico conduzido pelo Wakalua – primeiro polo global de inovação em turismo -, a ENIT busca reforçar a competitividade e o desenvolvimento sustentável do turismo nacional.

A meta é posicionar o Brasil como referência na área. A elaboração da estratégia foi precedida de entendimentos junto ao Conselho Nacional de Turismo (CNT) e à Câmara de Turismo 4.0, formada por representantes do MTur, do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) e do setor privado. O texto constitui um plano de longo prazo para nortear ações entre governo, academia e sociedade civil com vistas à inovação, seguindo diretrizes do Planejamento Estratégico 2020-2023 do MTur e do Plano Nacional de Turismo 2018-2022.

O ministro do Turismo, Gilson Machado Neto, incentiva a participação na consulta e ressalta a importância da inovação para a recuperação do turismo no pós-Covid-19. “É essencial ouvirmos a sociedade para definirmos uma estratégia que contemple todos os avanços necessários. Já trabalhamos a criação de Destinos Turísticos Inteligentes no país, e essa estratégia orientará outras ações fundamentais à transformação digital do turismo, incrementando o seu poder de movimentar divisas e gerar emprego e renda”, frisa.

A Estratégia Nacional de Inovação em Turismo é composta por cinco eixos de atuação: cultura de inovação e transformação digital; estruturação do ecossistema e fomento; talentos para inovação; gestão pública e inteligência competitiva; e produto turístico e promoção. A estratégia, cujo texto final resultará em um projeto executivo com as contribuições recebidas, deve dar origem a projetos específicos, adequados às linhas de trabalho propostas, que serão acompanhadas por um comitê de gestão e terão resultados medidos por meio de indicadores de desempenho.

O secretário nacional de Desenvolvimento e Competitividade do Turismo do MTur, William França, destaca esforços no sentido de aprimorar o nível de inovação no setor e ressalta o grande potencial do Brasil na área. “Para nós, a inovação deve ser a principal diretriz em qualquer planejamento estratégico de turismo. O país conta com pelo menos 101 startups no setor, envolvendo quase 3 mil trabalhadores e um investimento de US$ 278 milhões, o que nos dá uma amostra do enorme potencial de avanços no turismo”, observa.

A ENIT leva em consideração as adaptações do setor turístico à nova realidade global do pós crise sanitária, tendo como referências diretrizes de reconstrução do segmento propostas pela Organização Mundial do Turismo (OMT). A gestão estratégica das ações ficará a cargo do Ministério do Turismo, sob supervisão do Comitê de Inovação em Turismo – a ser composto por representantes do CNT, do MCTI e da Embratur – e do Comitê Nacional de Iniciativas de Apoio às Startups, formado por órgãos públicos federais e pelo Sebrae.

DESTINOS – Atualmente, duas cidades representando cada uma das cinco regiões do Brasil participam do projeto-piloto de implantação de Destinos Turísticos Inteligentes (DTI), coordenado pelo MTur: Rio Branco/AC e Palmas/TO (Norte); Recife/PE e Salvador/BA (Nordeste); Campo Grande/MS e Brasília/DF (Centro-Oeste); Florianópolis/SC e Curitiba/PR (Sul); e Rio de Janeiro/RJ e Angra dos Reis/RJ (Sudeste). O projeto, pioneiro no país, busca estabelecer diretrizes e um formato nacional para a implantação de DTI.

COOPERAÇÃO – Renovado no final de 2020, o contrato de cooperação entre MTur e Wakalua, gerido pela Subsecretaria de Tecnologia da Informação e Inovação do MTur (STII), prevê a instalação de hubs da entidade no Brasil, os primeiros na América do Sul, entre outras iniciativas. O Wakalua promove suas ações por meio de colaborações público-privadas em diversas regiões do mundo, envolvendo startups, investidores, corporações, governos, instituições não-governamentais e academia vinculados ao setor de turismo.

Com informações do Comunicação do Ministério do Turismo

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp