25°C
Scattered clouds

ACIRLAG teme novo decreto de fechamento do comércio

Representada pelo seu presidente, Maione Padeiro, a Associação Comercial, Industrial e Empresarial da Região Leste de Aparecida de Goiânia (ACIRLAG) voltou a se posicionar sobre as ações de contingencias adotada pelo Governo Estadual no combate ao coronavírus. A preocupação agora é com o anunciou feito pelo governador, Ronaldo Caiado (DEM) na manhã de hoje (11) de que na próxima quarta-feira (13) um novo decreto pode voltar a determinar o fechamento de várias atividades, consideradas não essenciais.

“Ficamos muito preocupados porque muitos comerciantes que já estavam começando a reerguer agora vão amargar o prejuízo. Por outro lado percebemos que eles estão cumprindo as normas sanitárias, mas a população mão colabora, vemos ruas com muita aglomeração, supermercados abarrotados e pessoas sem máscaras. Lamentamos este decreto, mas entendemos que é para o bem de todos”, ressaltou Maione.

Ele lembra que a ACIRLAG lutou pela flexibilização do funcionamento de várias atividades como distribuidoras de bebidas, salões de beleza, óticas, ferragistas, motéis, lojas de materiais de construção, clínicas odontológicas, óticas e vários outros. “O governador atendeu nossa solicitação, mas agora podemos perder todo este trabalho que fizemos”, lamentou.

Maione teme ainda que se a população não colaborar, assim como outros estados, Goiás poderá adotar o regime lockdown (bloqueio total de uma região). “Lamentamos pela classe empresarial, mas entendemos a parte sanitária. Estamos tão pertos de uma vacina, acho que a população só precisa de um pouco mais de colaboração e paciência”, defende Maione.

O presidente da ACIRLAG também vê com preocupação a disputa política diante do combate ao coronavírus. “Estados e municípios precisam falar uma mesma língua para evitarmos situações como ocorreram em outros países, se não vamos ter de enfrentar um lockdown e um colapso no sistema de saúde goiano”, alerta.

Diante do atual cenário, Maione já iniciou contato com lideranças políticas e de associações empresarias para levar sugestões ao governador e evitar um dano maior para a economia. “Assim como temos feito vamos manter o diálogo. O governador é um técnico no assunto, mas também sensível as nossas demandas”, finaliza.

 

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp