23°C
Overcast clouds

Antes do adeus à seleção, Formiga vê cenário promissor à nova geração

Ícone do futebol feminino brasileiro, Formiga vestirá a camisa da seleção canarinho pela última vez nesta quinta-feira (25), contra a Índia, pelo Torneio Internacional de Manaus. A bola rola às 22h (horário de Brasília), na Arena da Amazônia. A competição amistosa também reúne Chile e Venezuela.

“Comecei a me emocionar hoje, então não faço ideia de como será amanhã [risos]. A expectativa é sempre boa. Espero que tudo aconteça da melhor maneira possível e que todos se emocionem comigo, que aproveitem bem o dia e sigam apoiando a seleção nessa transição”, projetou a camisa 8, em entrevista coletiva nesta quarta-feira (24), por videoconferência.

Nosso compromisso de amanhã é com você, Lenda! 🥰 #F8rmigaInterminável

🇧🇷 x 🇮🇳
⏰ 21h (local) | 22h (Brasília)
🏟 Arena da Amazônia
📺 @SporTV

Garanta o seu ingresso para assistir as #GuerreirasDoBrasil: https://t.co/PlnQRlOeFc pic.twitter.com/gqUse5CNbt

— Seleção Feminina de Futebol (@SelecaoFeminina) November 24, 2021

A convocação da técnica Pia Sundhage simboliza a transição a qual Formiga se refere. As meias Angelina, Ary Borges, Ana Vitória (todas 21 anos) e Ivana Fuso (20 anos) integram uma nova geração que busca espaço na seleção nacional. Angelina, inclusive, desponta como sucessora direta da veterana, tendo até vestido a camisa 8 nos amistosos de setembro, contra a Argentina, em João Pessoa e Campina Grande (PB).

“Eu acredito muito nestas meninas que estão chegando agora, tendo a oportunidade de trabalhar com uma treinadora de um currículo invejável. Espero que elas também tenham esse comprometimento, pois a luta continua. Ela não para por aqui. Há muito o que conquistar. Temos uma base, algo pelo qual lutamos bastante, então temos que lapidar os diamantes. Que elas construam história na seleção, que seja linda, tenham êxito e conquistem o respeito de todos”, disse a volante.

Foram 26 anos defendendo a amarelinha, com nove conquistas: três medalhas de ouro em Jogos Pan-Americanos (2003, 2007 e 2015) e seis Copas América (1995, 1998, 2003, 2010, 2014 e 2018). Formiga, porém, tem a prata olímpica de 2004, em Atenas (Grécia), como principal lembrança da carreira pelo Brasil. Ela também fez parte do elenco vice-campeão quatro anos depois, nos Jogos de Pequim (China).

“Tenho várias memórias, mas uma que, com certeza, fica para todo o sempre é a conquista da nossa primeira medalha. Ainda mais vendo o crescimento do futebol feminino, é algo para ter guardado da melhor maneira possível. E se pudesse fazer um quadro com outro momento, sem dúvidas, seria o de hoje, vendo tantas meninas ganharem espaço, sem a dificuldade do passado”, concluiu a camisa 8, que tem contrato com o São Paulo até dezembro do ano que vem.

Depois do jogo contra a Índia, o Brasil encara a Venezuela neste domingo (28), às 21h (horário de Brasília). A última partida pelo Torneio Internacional de Manaus será na próxima quarta-feira (1º de  dezembro), também às 21h, diante do Chile. O evento amistoso é disputado em formado de quadrangular, em que as quatro seleções jogam entre si. A campeã será aquela que somar mais pontos após as três rodadas.

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp