25°C
Scattered clouds

Aparecida de Goiânia suspende o escalonamento regional

Após avaliação da nota técnica apresentada pela Secretaria Municipal de Saúde, o Comitê de Prevenção e Enfrentamento a Covid-19 de Aparecida, decidiu, por unanimidade, suspender o Isolamento Social Intermitente Regionalizado no município. A decisão foi tomada em reunião extraordinária, por videoconferência, realizada na manhã desta quinta-feira, 06. O pedido de suspensão do escalonamento foi apresentado pelo prefeito Gustavo Mendanha na última terça-feira, 04, durante reunião do comitê. O gestor municipal, na ocasião, pediu que fosse apreciado sua solicitação considerando o quadro epidemiológico de Aparecida para Covid-19 que permanece sob controle e estável.

De acordo com o secretário de Saúde de Aparecida, que também coordena o Comitê, Alessandro Magalhães, a suspensão efetiva será após a publicação da portaria regulamentando a ação, que deve ser publicada até esta sexta-feira, 07 no Diário Oficial Eletrônico (DOE). O secretário explica que o cenário atual que Aparecida vive em relação à Covid-19 mostra as ações assertivas da gestão municipal no enfrentamento ao Coronavírus como a testagem em massa da população, ampliação dos leitos de UTI e Semi-UTI na cidade e também o monitoramento dos pacientes positivos e que são do grupo de risco.

Nota Técnica da Secretaria Municipal de Saúde deu sinal favorável a suspensão do escalamento, com a necessidade do cumprimento das seguintes recomendações: 1) a manutenção das regras sanitárias determinadas aos estabelecimentos que foram autorizados a funcionar; 2) a não reabertura de novos segmentos que, a partir desta nota técnica, não estão autorizados a funcionar, a fim da Saúde Municipal monitorar o impacto da suspensão pelos próximos 14 dias e; 3) a manutenção da testagem em massa com o objetivo de apresentar o cenário real de contaminados diariamente.

“Temos dois possíveis gatilhos para retomar o escalonamento que é a taxa de ocupação passando dos 80% por três dias seguidos e se a média móvel de casos ativos oscilar positivamente mais do que 15% nos próximos 14 dias. Ou seja, se casos ativos que estão com a doença em atividade, aumentar mais de 15%, podem pressionar mais o sistema de saúde”, comentou o secretário Alessandro Magalhães.

Durante entrevista coletiva pela plataforma zoo, o prefeito Gustavo Mendanha (MDB) deixou bem claro que se os indicies subirem o escalonamento pode voltar e que não se trata se do fim do escalonamento, mas sim de uma suspenção. “Percebemos que as pessoas e os comerciantes estão mais conscientes com as medidas de segurança, esperamos que se mantenha assim, porém se for necessário podemos voltar com o escalamento macrorregional, mas claro, que ninguém quer isso”, destacou o prefeito.

Ainda segundo Gustavo, todas as informações solicitadas por órgãos como o Ministério Público e Defensoria Pública sobre a suspensão do escalonamento foram repassadas e que a interlocução com a Câmara Municipal diante do cenário de pandemia tem sido amistosa. “A Câmara tem acento no comitê e temos travado um bom diálogo”, garantiu o prefeito.

O secretário também deixou claro medidas que estão incluídas na retomada responsável, instituídas ainda em abril continuam. “Aqueles que têm regramentos específicos continuam. O que ainda não podem funcionar continua seguindo as normas aguardando possíveis mudanças. Não estamos permitindo tudo, estamos apenas suspendendo o escalonamento regional”, acrescentou.

Fiscalização

   Com a suspensão do escalonamento a fiscalização para averiguar o cumprimento dos protocolos de cuidados sanitários vai continuar, pois a única mudança com essa suspensão, segundo a SMS é de que os comércios não precisarão mais fechar um dia da semana, mas o restante das regras continua valendo, como horário de funcionamento de shoppings, galerias, academias e restaurantes, escalonamento por fileira em feiras e o não funcionamento de bares e quadras de atividades coletivas como futebol.

“Vamos manter a nossa fiscalização, notificação, multas e cassação de alvará para aqueles que não tiverem cumprimento as determinações. E se o cenário na cidade piorar e a população não contribuir com as normas sanitárias a gente tem que ter responsabilidade e voltar imediatamente com o escalonamento regional”, destacou o prefeito Gustavo Mendanha. Esta fiscalização continua por conta do Grupo Operacional de Enfrentamento ao Coronavírus, que percorre as ruas e comércios de Aparecida desde o mês de abril, quando foi iniciada a Retomada Responsável das atividades econômicas.

Escalonamento Regional

Todas as ações tomadas pela gestão municipal foram embasadas em estudos técnicos da Secretaria de Saúde, pesquisas e recomendações de órgãos e entidades científicas como a Organização Mundial da Saúde (OMS) Ministérios da Saúde e outros.  Em junho, seguindo a matriz de risco do Ministério da Saúde, com uma escala de cenário de verde a vermelho, o município adotou então o Isolamento Social Intermitente com o Escalonamento Regional. Desta forma, a cidade foi dividida em 10 macrorregiões.

No cenário verde-risco baixo, a cada dia da semana de segunda a sexta-feira, duas delas precisariam ficar fechadas totalmente, incluindo alguns serviços essenciais como supermercados, padarias e postos de combustíveis. No cenário amarelo-risco moderado, que é o que a cidade se encontra atualmente, duas macrorregiões continuam fechando uma vez de segunda a sexta-feira e também aos domingos. Caso suba para o cenário laranja-risco alto, as macrozona fecham dois dias de segunda a sexta-feira e também aos sábados após as 13h e aos domingos o dia todo. Já no cenário vermelho-risco altíssimo, considerando 14 dias (duas semanas), a cidade tem o comércio fechado regionalmente por 10 dias, ficando apenas 4 dias abertos, de modo intercalado.

Da redação com fonte da Secom

Fotos: Rodrigo Estrela e Divulgação

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp