28°C
Overcast clouds

Associação teme estouro de nova rebelião no Complexo Prisional de Aparecida

Uma nova situação que se desenha no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia tem chamado a atenção de entidades classistas do município como da Associação Comercial, Industrial e Empresarial da Região Leste (Acirlag). É que cerca de 700 reeducandos, que vinham sendo monitorados por tornozeleiras eletrônicas voltaram para o semiaberto.  Eles são oriundos do motim que deixou nove mortos e 14 feridos em janeiro de 2018.

Durante entrevista a um jornal local, o presidente da Acirlarg, Maione Padeiro demonstrou preocupação com o retorno dos presos, que passam a dormir no semiaberto, que está localizado numa área com alto potencial industrial, que abriga o Polo Empresarial José Alencar, o Complexo Empresarial Metropolitano (CEM), vai receber o Globo Park, o Aeroporto Executivo e Polo Aeronáutico.  “Esta medida trouxe uma grande tensão, pois todos aqui tememos uma rebelião, que pode colocar em risco a segurança dos empresários desta região, e de seus funcionários”, declara Maione.

Ele lembra que a região também já está recebendo novas empresas como a Guaraná Mineiro e aos poucos vai se transformando num complexo universitário, como a UFG, que está construindo um centro de estudos. “Como vamos apostar no desenvolvimento de uma região conflituosa? Contamos com a sensibilidade do Governo Estadual para que retire urgente o semiaberto de Aparecida e futuramente todo o Complexo Prisional. Aparecida já deu sua contribuição com sistema carcerário goiano durante décadas, agora está na hora de outra município assumir esse ônus”, pede o presidente da Acirlag.

O Complexo Prisional de Aparecida é composto atualmente pelo o Núcleo de Custódia, a Casa de Prisão Provisória, a Penitenciária Odenir Guimarães, além da Colônia Agrícola do sistema Semiaberto. Outra informação preocupa ainda mais a direção da Acirlag, é que a Secretaria Estadual de Saúde pretende transferir cerca de 50 jovens do Centro de Atendimento Socioeducativo (Case) para o Centro Estadual de Referência e Excelência em Dependência Química (Credeq), que também fica na região. “Não somos contra a recuperação de menores infratores, mas o Credeq foi levado para aquela região com o objetivo de recuperar vidas de dependentes químicos, também esperamos que o governo reveja esta medida”, acrescentou Maione.

Ele também defende um reforço conjunto das forças aparecidenses para evitar um possível motim na região leste. “Esperamos o apoio da Prefeitura, Câmara Municipal, Ministério Público, deputados que representam a cidade, da classe empresarial e toda coletividade para juntos evitar que nossa cidade se torne manchete nacional de forma negativa mais uma vez”, conclui.

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp