20°C
Clear sky

Biocurativo de células-tronco permite o tratamento inteligente de feridas e queimaduras

A startup In Situ Terapia Celular desenvolveu, com apoio do Programa Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (PIPE), da FAPESP, um biocurativo, com a aparência de uma lente de contato, para o tratamento inteligente de feridas e queimaduras.

Obtido a partir de células-tronco e de um hidrogel, o dispositivo, impresso a partir de uma bioimpressora 3D, pode ser aplicado diretamente sobre a pele humana de forma mais eficiente em relação às opções atuais.

O produto está sendo submetido à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para aprovação de ensaio clínico e registro.

“Se houver muita inflamação no local, o biocurativo consegue fazer com que a secreção de certas substâncias envolvidas com os processos inflamatórios diminuam”, diz Carolina Caliári Oliveira, fundadora da empresa.

As células-tronco usadas no produto são de cordão umbilical e têm potencial para estimular a regeneração dos tecidos da pele, o maior órgão do corpo humano.

“A grande inovação em todo esse processo é a forma pela qual as técnicas foram integradas. Desse modo, as células-tronco e o biomaterial podem cumprir com eficiência o papel deles, como demonstramos em testes no laboratório”, afirma Oliveira.

Segundo a pesquisadora, o fato de outra startup brasileira, a 3D Biotechnology Solutions, ter desenvolvido, também com apoio do PIPE-FAPESP, uma bioimpressora no país ajudou bastante no plano de negócio da empresa.

“Isso facilitou muito para nós, porque reduziu o custo. Não teríamos como importar um equipamento desse”, diz Oliveira.

A impressão em 3D também acabou sendo decisiva para a empresa planejar a futura linha de produção dos biocurativos. “Temos toda uma infraestrutura já montada”, ressalta a pesquisadora.

Em um primeiro momento, o produto poderá ser comercializado principalmente em redes de hospitais privados.

Diferenciais competitivos

De acordo com Oliveira, além da inovação biotecnológica, a solução apresenta diversas outras vantagens em comparação com os produtos já existentes no mercado.

“É uma terapia que apresenta uma ótima relação custo-benefício. Além disso, o processo de aplicação é muito simples. Alguns tratamentos atuais para feridas são dolorosos. No caso do biocurativo, ele é apenas colocado sobre a ferida. Por ser um produto altamente inovador e com tecnologia 100% nacional, o acesso dos pacientes que precisam desse tipo de tratamento será facilitado”, avalia a pesquisadora.

As feridas crônicas, principalmente em pessoas com problemas como diabetes e má circulação, podem levar à amputação de membros, como os pés.

“O produto tem potencial de ser usado por até cinco 5 milhões de pessoas no Brasil que sofrem com feridas crônicas ou queimaduras graves”, estima Oliveira.

A ideia inicial da pesquisadora, formatada em 2016, era desenvolver uma terapia celular personalizada. Mas, como é comum na trajetória das startups, a rota teve que ser corrigida.

“Percebemos logo que fazer uma terapia celular personalizada não nos levaria a um produto escalável, como é o atual, feito a partir de células-tronco de cordão umbilical de recém-nascidos”, explica Oliveira.

A startup já tem outros produtos em processo de desenvolvimento, baseados na utilização de vesículas extracelulares, derivadas da produção de células-tronco em laboratório

“Nosso objetivo é usá-los em um produto menos complexo, como uma pomada, que também possa ajudar na cicatrização de feridas mais simples ou em cicatrizes hipertróficas [defeitos na cicatrização de feridas que ocorrem pela desregulação na produção de colágeno, que se dá de forma excessiva, deixando a pele mais protuberante]”, explica Oliveira.

O post Biocurativo de células-tronco permite o tratamento inteligente de feridas e queimaduras apareceu primeiro em Governo do Estado de São Paulo.

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp