Brasil reduz carência de vitamina A e anemia em crianças de até 5 anos

Com uma alimentação saudável, o ser humano consegue ingerir várias vitaminas necessárias durante a vida. Uma delas é a vitamina A, que atua, por exemplo, na manutenção da visão e no funcionamento adequado do sistema imunológico.

Uma pesquisa encomendada pelo Ministério da Saúde mostrou que caiu, no país, a carência de vitamina A nos últimos anos. Segundo o estudo, a redução apareceu em 6% dos casos estudados em 2019, representando uma diminuição de 65,5% se comparado a 2006 (17,4%). O estudo revela ainda que a anemia em crianças brasileiras de até 5 anos de idade baixou pela metade nos últimos 13 anos.

O Estudo Nacional de Alimentação e Nutrição Infantil (Enani-2019) foi feito em parceria com a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Segundo Paula dos Santos Leffa, consultora técnica da Coordenação Geral de Alimentação e Nutrição (CGAN), a redução da prevalência das carências nutricionais nas crianças brasileiras menores de 5 anos indica uma melhoria nas condições de saúde dessa faixa etária.

“Os dados apresentados pelo Enani são muito positivos e serão essenciais para reformulação de políticas públicas para promover a saúde das crianças brasileiras”, explicou.

Enani
Entre fevereiro de 2019 e março de 2020, foram feitas visitas domiciliares a 123 municípios brasileiros, totalizando 14.583 crianças menores de 5 anos.

O Enani é um estudo representativo de toda a população brasileira, onde todas as regiões foram contempladas e mais de 14 mil crianças entre 2019 e 2020 foram avaliadas em diferentes eixos, incluindo os dados sobre as carências de micronutrientes, afirmou.

Pesquisa
Dados do estudo revelam que a anemia recuou de 20,9% em 2006, para 10% em 2019. O Sudeste do país foi a região que teve a menor redução (14,7%).

De acordo com o Ministério da Saúde, a carência de vitamina A apareceu em 6% dos casos estudados. Os quadros mais elevados de deficiência do nutriente foram encontrados nas regiões Centro-Oeste (9,5%), Sul (8,9%) e Norte (8,3%). O Sudeste teve a menor prevalência nacional de carência dessa vitamina (4,3%).

O Enani é a primeira pesquisa que levou em consideração todo o país e todos os estágios de alimentação infantil, como práticas de aleitamento materno, alimentação complementar e o consumo alimentar individual.

A pesquisa também destrinchou e mapeou os dados nutricionais de deficiências de micronutrientes de ferro, vitamina A, vitamina D, vitamina E, vitamina B1, vitamina B6, vitamina B12, Folato, Zinco e Selênio.

Onde podemos encontrar a vitamina A?
Nos seis primeiros meses de vida, o leite materno oferece a quantidade necessária ao bebê quando é oferecido de forma exclusiva, ou seja, sem nenhum outro alimento.

A vitamina também pode ser encontrada em alimentos de origem animal (leite integral, fígado), frutas e legumes de cor amarelo-alaranjada (manga, mamão, cenoura, abóbora), verduras verde-escuras (caruru, bertalha, couve), além de óleos e frutas oleaginosas (buriti, pupunha, dendê, pequi). – Agência Brasil – YWD 982749