Brasil vence a Colômbia na estreia da Copa América

O Brasil demorou a engrenar, mas conseguiu vencer a Bolívia por 3 a 0 hoje, na abertura da Copa América, no Estádio do Morumbi. Depois de um primeiro tempo que terminou em vaias, os donos da casa conseguiram abrir o placar com um pênalti marcado pelo VAR e logo ampliaram a vantagem, em ambas as ocasiões com Philippe Coutinho. Everton completou o triunfo perto do apito final. Apesar da vitória, a partida não deixou o torcedor empolgado.

Embora não tenha corrido riscos, a seleção não teve um meio-campo efetivo, contou com poucas arrancadas de David Neres e viu um Richarlison mais discreto do que nos últimos dois amistosos. O setor ofensivo melhorou com as entradas de Gabriel Jesus e Éverton – o segundo brilhou nos minutos finais.

Com três pontos, o Brasil vai para a próxima rodada encarar a Venezuela, em Salvador. O jogo está marcado para terça-feira, dia 18, às 21h30. No mesmo dia, mas às 18h30, a Bolívia duela com o Peru no Maracanã.

Depois de um primeiro tempo ruim para todos os atletas brasileiros, Philippe Coutinho apareceu bem no segundo. Primeiro, ao bater muito bem o pênalti. Depois, ao aparecer quase como um camisa 9 para complementar o cruzamento de Roberto Firmino. Porém, sua atuação como criador de jogadas deixou a desejar.

O atacante boliviano era apontado como um dos grandes perigos para a zaga brasileira, mas ele pouco apareceu. Muito pela proposta de sua equipe, que se preocupou muito mais em defender.

Escolhido para o lugar de Arthur, machucado, Fernandinho estava no centro dos holofotes dos torcedores. Seu nome não foi nem aplaudido e nem xingado no anúncio da escalação. Dentro de campo, ele participou pouco, quase não precisou marcar e fez uma partida segura. No segundo tempo, iniciou a jogada que terminou com golaço de Everton.

O Brasil começou com o domínio da bola, mas sem nenhuma efetividade. A torcida começou a se irritar com o excesso de bolas aéreas e deixou isso claro com as vaias no primeiro tempo. No segundo, o time rodou melhor à frente, Richarlison e Firmino trocaram de posição com maior frequência, e o placar foi construído. O torcedor ameaçou reclamar mesmo com o 2 a 0, mas Everton colocou fim à insatisfação com um golaço.

A Bolívia veio com a proposta de não tomar gol. Com duas linhas de quatro, que às vezes variavam para duas linhas de cinco, o time sul-americano resistiu na entrada da área, não foi surpreendida no primeiro tempo e viu Lampe trabalhar pouco. Na segunda etapa, o pênalti logo antes dos cinco minutos destruiu a retranca boliviana, e a seleção nada pôde fazer a não ser lutar para perder de pouco.

Fotos: magem: Lucas Lima/UOL

Fonte: Bruno Grossi, Danilo Lavieri, Marcel Rizzo e Pedro Lopes Do UOL, em São Paulo

Deixe um comentário