29°C
Few clouds

Cachoeira do Sul (RS) contará com recursos para obras de qualificação viária

A cidade gaúcha de Cachoeira do Sul contará com R$ 12,4 milhões para investir em obras de qualificação viária. Os recursos para o financiamento são do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e serão disponibilizados por meio do programa Avançar Cidades – Mobilidade Urbana, coordenado pelo Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR).

A proposta aprovada prevê a execução dos serviços de pavimentação, microdrenagem, calçadas com acessibilidade, recapeamentos e sinalização viária em diversas ruas do município. Cabe à gestão municipal a contrapartida de R$ 656 mil, consolidando um investimento total de R$ 13,1 milhões. Com esse volume de recursos aplicados, é estimada a geração (ou manutenção) de mais de 800 postos de trabalho.

O financiamento das obras pelo FGTS segue as disposições previstas no Programa de Infraestrutura de Transporte e da Mobilidade Urbana (Pró-Transporte).

O Avançar Cidades – Mobilidade Urbana está dividido em dois grupos, conforme o porte do município: o Grupo 1, composto por cidades com até 250 mil habitantes, a exemplo de Cachoeira do Sul; e o Grupo 2, que inclui centros urbanos com população superior a 250 mil.

Condições para o financiamento

O cadastramento de projetos para o Avançar Cidades é contínuo. Podem apresentar propostas os municípios interessados em melhorar a circulação das pessoas nos ambientes urbanos. A divulgação das portarias de seleção das propostas representa a última etapa para a obtenção do financiamento.

Após a seleção final pelo MDR, os municípios têm até um ano para formalizar a contratação da proposta com o agente financeiro. O apoio federal se dá por intermédio do financiamento das ações de mobilidade, voltadas à qualificação viária, ao transporte público coletivo (urbano), ao transporte não motorizado (transporte ativo) e à elaboração de planos e de projetos executivos.

A taxa nominal de juros das operações de empréstimo do Pró-Transporte é de 6% ao ano, podendo ser acrescida taxa diferencial de até 2% e taxa de risco de crédito de até 1%. O prazo para a quitação total pode chegar a 20 anos, com carência de até 48 meses para o início do pagamento.

Dúvidas e mais informações: [email protected].

Com informações do Ministério do Desenvolvimento Regional

 

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp