29°C
Few clouds

Caiado confirma Goiânia como uma das sedes da Copa América

Partidas não poderão ter público e devem obedecer protocolos contra a covid

*Alex Atanázio

O governador Ronaldo Caiado (DEM) acaba de confirmar em suas redes sociais que Goiânia será uma das sedes da Copa América, que começa daqui a 10 dias. A capital ofereceu os estádios: o Olímpico, no Centro da cidade e o Antônio Accioly, que pertence ao Atlético goiano, no Setor Campinas.

Em sua conta no twitter, Caiado enumerou quatro medidas que deverão ser seguidas para a realização do torneio em Goiânia:

  1. A primeira dela foi que todos as partidas e treinos não contassem com torcida.

  2) E que fosse montado um sistema estilo bolha, que protegesse atletas, arbitragem, comissão técnica, imprensa e todos os envolvidos direta e indiretamente com o processo. O que foi aceito.

3) Que a Conmebol vacinasse todos os envolvidos na competição. Atletas, arbitragem, comissão técnica, imprensa e funcionários envolvidos direta e indiretamente. Aceitaram.

4) Além disso, não aceitamos gastar um centavo com a competição. Qualquer investimento de infraestrutura será por conta deles. Inicialmente, os jogos serão no Estádio Olímpico, sem público. E o Serra Dourada vai servir de suporte.

O governador disse ainda: “ Não podemos politizar esse assunto de Copa América. Porque estamos tendo Campeonato Brasileiro, Sul-Americana, Libertadores e Eliminatórias. Tivemos estaduais. Qual a diferença se protocolos até mais rígidos de segurança serão tomados? É preciso pensar na saúde e ter coerência”

Além de Goiás, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) Mato Grosso, Rio de Janeiro e Distrito Federal. Ele ressaltou que a Copa América seguirá os mesmos protocolos que já vêm sendo adotados nas competições da CBF.

Em Brasília, que deve receber a abertura, inclusive, o Mané Garrincha é o palco escolhido. O Rio de Janeiro contará com o tradicional Maracanã, opção número um para a final da Copa América. Em Mato Grosso, o estádio escolhido é a Arena Pantanal, que também foi construído para a Copa de 2014.

  A decisão de transferir a competição para o Brasil aconteceu pelo fato de as duas sedes iniciais alegarem não ter condições de receber o evento. A Colômbia convive com caos sociopolítico e foi a primeira a desistir. Em seguida, o governo argentino, após notar crescente de casos e mortes pela Covid-19, recusou-se a abrir suas fronteiras a jogadores e comissões. Assim, a Conmebol recorreu ao Brasil, local da última edição da Copa América, em 2019.

  O acordo foi costurado pela Conmebol com a CBF e o governo Bolsonaro. “Deixo bem claro: no que depender do governo federal, será realizada a Copa América no Brasil. Desde o começo venho dizendo: lamento as mortes, mas temos que viver. Se é para todo mundo ficar em casa, vamos determinar que o homem do campo fique em casa também. Quero ver do que a cidade vai sobreviver. Considero, da parte do governo federal, assunto encerrado”, disse o presidente Jair Bolsonaro nesta manhã.

  Na contramão da decisão da CBF e do governo federal, os estados de Pernambuco e Rio Grande do Norte se recusaram a receber partidas. Além disso, os jogadores uruguaios Luis Suárez e Edinson Cavani se posicionaram contra a realização da competição em meio à situação sanitária.

  O governador de São Paulo João Doria chegou a ser favorável aos jogos no estado. Contudo, o tucano decidiu, junto à sua equipe, mudar o posicionamento.

Fonte: Alex Atanázio com informações do portal Placar

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp