16°C
Clear sky

Câmara aprova MP que isenta imposto sobre operações de arrendamento de aeronaves

Paulo Sérgio/Câmara dos Deputados
Sessão do Plenário da Câmara dos Deputados

A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (4) a Medida Provisória 1094/21, que retoma, até 2023, a isenção de Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF) para pagamentos de leasing de aeronaves remetidos por empresas brasileiras ao exterior. A MP será enviada ao Senado.

Esse tipo de isenção existia desde 2006 e foi sucessivamente prorrogado até 2019, quando a MP 907/19 propôs um aumento gradativo até atingir a alíquota cheia de 15% a partir de 2023.

Devido a veto ao projeto de lei de conversão da MP 907/19, as companhias pagaram 15% durante todo o ano de 2021.

Com a nova MP, o tributo será de 1% em 2024; 2% em 2025; 3% em 2026; e volta a ser de 15% de 2027 em diante.

O relator da matéria, deputado Felipe Carreras (PSB-PE), apresentou parecer favorável, fazendo apenas um ajuste para adaptar o texto à MP 1089/21, que acaba com a diferença entre transporte aéreo regular público e privado.

“A súbita elevação da alíquota do imposto de 1,5% em 2020 para 15% a partir de 2021 contribuiu de forma decisiva para a disparada no preço das passagens aéreas e dificultou a recuperação de um dos setores mais atingidos pelos efeitos econômicos da crise da Covid-19”, afirmou o relator.

Veto e LDO

Até a edição da MP 907, em novembro de 2019, o usufruto dessa isenção estava vinculado à data do contrato de leasing ou arrendamento mercantil. Assim, a alíquota zero do imposto valeria para os pagamentos feitos até 31 de dezembro de 2022, mas apenas se referentes a contratos assinados até 31 de dezembro de 2019.

Elaine Menke/Câmara dos Deputados
Felipe Carreras, relator da medida provisória

Com o argumento de beneficiar os contratos novos (2020 em diante), o governo editou a MP 907 com aumento gradativo do imposto entre 2020 e 2022 em razão de limitações da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO 2019), que impedia a prorrogação de incentivos sem redução dos mesmos. De 2023 em diante, o imposto seria de 15%.

Entretanto, foi retirada a vinculação às datas dos contratos de arrendamento “para o desenvolvimento do transporte aéreo brasileiro”, conforme a exposição de motivos da medida provisória.

Quando da tramitação no Congresso, o texto enviado à sanção mantinha o fim do vínculo à data do contrato, mas previa a volta da isenção total a partir de 2021, estipulando alíquota de 1,5% em 2020.

Sob a justificativa de aumento de renúncia fiscal sem contrapartida de cancelamento de despesa, o presidente Jair Bolsonaro vetou a isenção a partir de 2021, mantendo a alíquota de 1,5% em 2020 e a consequente alíquota de 15% em 2021 por falta de previsão legal de isenção.

Impacto orçamentário

Com as novas alíquotas propostas pela MP 1094/21, o governo estima uma renúncia fiscal de R$ 374 milhões para 2022; R$ 382 milhões para 2023; R$ 378 milhões para 2024; R$ 371 milhões para 2025; e R$ 158 milhões para 2026.

Os valores deverão ser compensados com a revogação, pela MP 1095/21, da tributação especial do PIS/Pasep e da Cofins sobre a nafta e outros produtos abrangidos pelo Regime Especial da Indústria Química (Reiq).

Remessas para turismo

Na votação em Plenário, foi rejeitada emenda do deputado Bacelar (PV-BA) que pretendia incluir redução de IRRF para remessas mensais de até R$ 20 mil ao exterior a fim de cobrir despesas com os pacotes de turismo, no exterior, comprados por pessoas físicas residentes no País.

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp