16°C
Clear sky

Chico KGL quer criar Semana de Conscientização sobre Perda Gestacional e Neonatal

O deputado Chico KGL (União Brasil) apresentou a esta Casa projeto protocolado com o nº 1946/22, que insttitui a Semana Estadual de Sensibilização à Perda Gestacional, Neonatal e Infantil. O objetivo é reconhecer e conscientizar sobre o tema para ajudar no apoio e orientação das mães e pais que vivenciam perda.
“A proposta ora apresentada visa sensibilizar a sociedade e os profissionais de saúde e das áreas jurídicas a validarem o luto materno e paterno. Sob o ponto de vista jurídico, há de se considerar que muitas mães e pais precisam lutar pelo reconhecimento ao direito à licença-maternidade e à Iicença-paternidade”, explica o autor da propositura em suas justificativas.
De acordo com o texto do projeto, a escolha da data tem por base o “Pregnancy and Infant Loss Remambrance Day”, traduzido como “Dia da Memória da perda Gestacional e Infantil”, também chamado de “Dia da Conscientização sobre a Perda Gestacional e Infantil”, que é observado no dia 15 de outubro de cada ano em diversos países.
Chico KGL explica que o dia é lembrado pelo mundo com a campanha “Wave of ligth” (Onda de Luz), que trata de uma corrente de vigílias de velas realizada pelos familiares, amigos e simpatizantes, com a intenção de, simbolicamente, formar uma onda de luz que relembre a história das/os bebês e crianças que perderam a vida, e a conscientização da sociedade sobre a importãncia do acolhimento a quem vive a dor da perda. “A perda gestacional e neonatal são fenômenos mais comuns do que se possa imaginar”, salienta o deputado.
O autor da propositura esclarece ainda estimar-se que a prevalência da perda gestacional varie entre 15 a 20% das gestações clinicamente diagnosticadas. “A maior ocorrência se dá antes da 12ª semana gestacional. Quando a perda do feto ocorre entre a 1ª e 22ª semana da gestação, é denominada perda precoce. Quando ocorrem após esse período, as perdas são consideradas tardias. Levantamento do Ministério da Saúde (2018) aponta que a mortalidade neonatal precoce (ocorrida entre O a 6 dias) acontece em 52% dos caso de mortalidade neonatal. O óbito de crianças até o primeiro ano de vida corresponde a 85% em relação ao óbito de crianças de até 4 anos de idade”.
A matéria encontra-se atualmente na Comissão de Constituição e Justiça, onde foi distribuída para relatoria do deputado Francisco Oliveira (MDB).

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp