17°C
Few clouds

Cinema da Fundação levou debate da Fundaj sobre iberismo para dentro de sua programação

A partir de 29 de março de 2022, o Cinema da Fundação exibiu a Mostra Mundo Ibérico, integrando a programação da Fundação Joaquim Nabuco de abril, que vem discutindo as trocas culturais entre os países ibéricos e iberoamericanos. São seis longas, filmados na Espanha e em Portugal, plurais em temáticas e estilos. Eles são: “Volta à Terra”, de João Pedro Plácido; “O Homem Ideal?”, de Carles Alberola; “A Virgem de Agosto”, de Jonás Trueba; “John From”, de João Nicolau; “Verão” 1933, de Carla Simón e “A Floresta das Almas Perdidas”, de João Pedro Lopes.

“Essa comemoração em homenagem ao mundo ibérico, proposta pela Fundaj, é um bom motivo não só para a instituição manter vivo o pensamento do sociólogo Gilberto Freyre, como também de trazermos às nossas salas um pouco da diversidade dos cinemas de Portugal e Espanha. São filmes bastante diversos, mas igualmente interessantes da produção dos dois países”, afirmou Ernesto Barros, programador e coordenador do Cinema da Fundação. Ele também ressaltou que essa programação abre portas para se descobrir um cinema que vem revelando jovens talentos e marcando presença no circuito internacional.

“Temos presença de cineastas jovens, com a catalã Carla Simón, que este ano conquistou o Urso de Ouro do Festival de Berlim, com ‘Alcarràs’ seu segundo longa-metragem. Exibiremos seu filme Verão 1993, que já havia conquistado crítica e público, antes de agora confirmar ainda mais seu talento como cineasta. Além dela, temos filmes de outros diretores jovens, como o madrilenho Jonás Trueba, com seu caloroso ‘A Virgem de Agosto’”, afirmou Ernesto. “Já do lado Portugal, a oferta é bem inesperada, com filmes infanto juvenis, como o inteligente John From, de João Nicolau, e o insuspeitado terror ‘A Floresta das Almas Perdidas’, de José Pedro Lopes, que foi filmado em Portugal e na Espanha”, complementou.

A programação completa pode ser conferida nas redes do Cinema da Fundação. Além dessas exibições, a Fundaj também discutiu o mundo ibérico em seu Seminário de Tropicologia, realizado no dia 29 de março, com a palestra de Nélida Piñon, escritora integrante da Academia Brasileira de Letras de ascendência hispânica, e com a exposição Bicentenário da Independência no Brasil, que trouxe 38 documentos inéditos com trocas pré e pós-coloniais entre Brasil e Portugal.

 

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp