30°C
Few clouds

Coluna – CBF x Flamengo: é impressão ou estão em rota de colisão?

Bastaram oito dias para a CBF (Confederação Brasileira de Futebol) mudar de opinião e deixar revoltados o Flamengo e sua torcida. Apesar de o coordenador de seleções Juninho Paulista ter anunciado o adiamento de três rodadas do Brasileirão, a entidade optou por manter os jogos. A alegação foi de que jogadores de 19 clubes da Série A, à exceção do Flamengo, não querem adiar o início das férias para depois do dia 5 de dezembro, data prevista para a última rodada do campeonato.

E houve mais um episódio para deixar a Nação irritada: o Flamengo foi o único dos postulantes ao título do campeonato a ter dois jogadores convocados por Tite. E quando uma nova vaga surgiu para o ataque, Hulk, destaque do Atlético Mineiro e que esteve na convocação anterior, ficou de fora, preterido por Arthur Cabral, que joga na Suíça.

Mas afinal: existe algum tipo de retaliação por parte da CBF contra o Flamengo? O clube brigou pela volta do torcedor aos estádios antes dos demais, se posicionou contrário ao Conselho Técnico e contou com uma liminar do STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) para liberar o Maracanã para a torcida, na Copa do Brasil contra o Grêmio. Seria o suficiente? É realmente curioso lembrar que, no ano passado, só o Flamengo jogou com intervalo de 48h entre duas partidas. E que esse ano, ao remarcar dois jogos atrasados do Rubro-Negro, a CBF tenha colocado a tabela com um jogo no Rio, contra o Atlético-MG, 72h depois em Curitiba, contra o Athletico-PR, mais 72h, no Rio de novo, contra o Atlético-GO, e após mais 72h em Chapecó, contra a Chapecoense. Não seria mais justo fazer dois jogos no Rio e, depois, um no Paraná e outro em Santa Catarina?

A CBF deve ter seus motivos para organizar os jogos dessa forma. Mas não há como negar que o Flamengo terá prejuízos com esse desgaste e com os jogos que fará na Data Fifa sem três titulares absolutos: Gabigol, Everton Ribeiro e Arrascaeta. O Atlético-MG e o Palmeiras também tiveram jogadores convocados, mas nenhum dos dois perdeu jogadores do mesmo quilate.

Não é possível acreditar nessa teoria da conspiração. A CBF estaria punindo o time bicampeão, não só do Brasileirão como da Supercopa do Brasil, que ela também organiza. Seria ir de encontro a um clube que investe com as contas auditadas e dentro de seus limites, que deve, mas está em dia com as dívidas, e que representa bem o futebol brasileiro em competições internacionais há pelo menos três anos.

Toda essa discussão levanta uma dúvida: como surgir uma liga de clubes se há tamanha divisão? Imagino até que a postura da CBF, em apoiar a maioria dos clubes, seja uma bela estratégia para mostrar que ela está ao lado deles e pode, com isso, continuar organizando seus campeonatos.

O tempo dirá.

* Sergio du Bocage é apresentador do programa No Mundo da Bola, da TV Brasil.

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp