29°C
Overcast clouds

Coluna – O que é mais decepcionante para um grande time de futebol?

A temporada de 2021 do futebol brasileiro não teve 12 meses, nem mesmo os 11 tradicionais, consideradas as férias dos jogadores. A de 2020 terminou apenas em fevereiro, e com isso podemos dizer que foram dez meses de intensa agitação, nos quais os principais times tiveram de se dividir entre estaduais, Copa do Brasil, Brasileirão e competições sul-americanas. O preço foi caro para algumas equipes, até mesmo para as grandes favoritas, mas ainda maior para quem não tinha estrutura bem definida ou não se organizou.

O Athletico-PR é um exemplo dessa alternância na temporada. Campeão da Copa Sul-Americana e com vaga assegurada na Libertadores do ano que vem, o Furacão também está na final da Copa do Brasil, mas, até a penúltima rodada do Brasileirão, esteve ameaçado de rebaixamento. O Bragantino, finalista da Copa Sul-Americana, com planos de entrar na fase de grupos da Libertadores, agora corre o risco de ter de disputar a fase preliminar da principal competição do continente.

Três equipes despontaram como maiores favoritas aos principais títulos em disputa: o Atlético-MG, o Flamengo e o Palmeiras. O Galo já faturou o Brasileirão, e ainda pode levar a Copa do Brasil, mas foi eliminado na semifinal da Libertadores. O Palmeiras caiu na Copa do Brasil, ficou em terceiro no Brasileirão, mas levou para casa a Copa Libertadores. Já o Flamengo foi semifinalista da Copa do Brasil, finalista da Libertadores e vice-campeão do Brasileirão. Nenhum troféu. Vamos guardar essa informação!

Ainda na Série A, quem, no início do ano, colocaria o Grêmio entre os prováveis rebaixados para a segundona? Clube estruturado, bons jogadores, financeiramente bem, estádio próprio. No entanto, lá está o Tricolor gaúcho, praticamente rebaixado, precisando fazer muitas contas para escapar da queda. Como explicar?

E mudando o olhar para a Série B, uma rápida pesquisa nos mostra que o Vasco, no início do campeonato, estava sempre cotado entre os quatro que subiriam para a Série A em 2022. No entanto, o time de maior folha salarial terminou em décimo lugar. O Cruzeiro, que já está há dois anos na Segundona, também não conseguiu o acesso e vai para a terceira temporada fora da elite.

São quatro grandes clubes, com torcidas relevantes, passando por momentos difíceis, cada um com metas e sonhos distintos, com derrotas diferentes. Quem vai virar o ano mais triste? O favorito que não levantou nenhum troféu? O rebaixado? Ou o que não voltou para a elite?

Há quem diga que os de maior ambição sofrem a maior queda. Porém, quem tem o maior objetivo: o que quer ser campeão ou o que busca a recuperação? E quem sofreu a maior derrota? Aliás, pesa mais a do momento (no caso da luta por um título) ou a que repercute na próxima temporada?

O Grêmio ainda pode escapar da derrota maior na quinta-feira (9), apesar de, particularmente, achar muito difícil. Mas o fato é que não dá para afirmar qual dessas quatro torcidas é a mais frustrada, com uma virada de ano cinzenta e sem cor, nessa temporada em que o preto-e-branco de Atlético-MG e Botafogo predominou.

* Sergio du Bocage é apresentador do programa No Mundo da Bola, da TV Brasil.

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp