24°C
Few clouds

Coluna – Os números que justificam os grandes campeões

Não estamos na Europa, em que os campeonatos nacionais têm seus candidatos ao título antes mesmo de a bola rolar. Mas, também, já não vivemos em um Brasil onde havia quase dez candidatos ao título na Série A. O advento dos pontos corridos e as boas administrações de uns poucos mudaram esse panorama, que se repete nos últimos cinco anos. E, agora que vamos para a 15ª rodada, já podemos afirmar que, dos 20 times, três vão lutar pelo título – Palmeiras, Atlético-MG e Flamengo. Estou arriscando afirmar isso agora, e se eu errar ficarei até feliz, pois será a prova de que o futebol continua sendo capaz de nos surpreender.

A Copa do Brasil, com jogos em mata-mata, ainda consegue nos trazer novidades. De 2016 a 2020, tivemos oito equipes diferentes disputando as finais. Mas só três foram campeãs: Palmeiras e Cruzeiro, duas vezes cada uma, e o Athletico-PR. Reparem, o Cruzeiro, em 2017 e 2018, foi bicampeão, o mesmo time mineiro que hoje patina na zona de rebaixamento da Série B.

Mas lá no alto está, também, o Palmeiras, assim como o Internacional, o Corinthians, o Santos e o Flamengo. E essas cinco equipes, ao lado do Atlético-MG, ocuparam os três primeiros lugares no Brasileirão de pontos corridos. Ou seja: quando a classificação se baseia na regularidade, temos apenas seis times aparecendo no alto da tabela nos últimos cinco anos, com amplo destaque para o Flamengo e o Palmeiras, cada um duas vezes campeão. Repararam? O Palmeiras ganhou quatro títulos nacionais nos últimos cinco anos, além de uma Copa Libertadores. O Flamengo, além do bi brasileiro, tem um vice na Série A, outro na Copa do Brasil e uma Copa Libertadores.

Esse ano os dois estão de novo na briga pelo título brasileiro, tendo a companhia do Atlético-MG. Mas até quando irá essa disputa? Essa semana, o colunista Rica Perrone publicou na conta dele nas redes sociais um estudo da empresa InStat. Muito interessante, e ele me autorizou a compartilhar com vocês. Essa empresa, de análise de desempenhos esportivos, avaliou os números de Palmeiras e Atlético, em 14 jogos, e do Flamengo, em 12 jogos do Brasileirão, em 41 itens, alguns com dados percentuais e outros com a média por partida. O Atlético-MG apareceu em primeiro lugar em três itens apenas, sendo eles o menor número de faltas (ao lado do Palmeiras), menos cartões amarelos e, no que considero o único que pode definir um placar, o melhor aproveitamento em gols das chances criadas.

O Flamengo leva a melhor em 29 categorias. Em quatro, aparece empatado com o Palmeiras. O time paulista leva a melhor em outras cinco. É impressionante a diferença, que se no momento ainda coloca o Rubro-Negro na terceira posição “SE” vencer os dois jogos atrasados, contra Grêmio e Athletico-PR, poderá fazer diferença no andamento do campeonato.

O time carioca é quem mais cria chances de gols, acerta mais o gol, tem maior precisão nos passes e nos cruzamentos, é quem mais ganha disputas de bola, o que mais desarma, mais ainda no campo do adversário e o que tem mais eficiência nos contra-ataques. Os paulistas são os que mais cruzam na área e têm alto percentual de acerto nos dribles. Ambos empatam no número de gols marcados, nas disputas aéreas e nos contra-ataques a cada partida.

É evidente que estatística não ganha jogo, mas ajuda a entender o desempenho de cada um. Entre os três, com bola rolando, o Flamengo já venceu o Palmeiras e perdeu para o Atlético. Dia 15 haverá o jogo entre mineiros e paulistas, em Belo Horizonte. Vale lembrar que o trio está, também, na Copa Libertadores – onde Palmeiras e Atlético podem, inclusive, fazer uma das semifinais; e cariocas e mineiros estão na Copa do Brasil. E aí, é claro que a sequência de disputas poderá afetar o desempenho deles em algum desses campeonatos. Nessa hora, vamos ver quem tem o melhor planejamento e o melhor elenco. Olhando pra tudo isso aqui em cima, históricos e estatísticas, Flamengo e Palmeiras levam vantagem, com o Verdão envolvido em menos uma disputa.

Essa corrida pelo título me faz lembrar a prova dos 400 metros com barreiras, do Alison dos Santos, em que os três primeiros colocados bateram o recorde olímpico e atingiram marcas históricas. O brasileiro levou o bronze e festejou. Não é um sentimento que se repetiria aqui.

* Sergio du Bocage é apresentador do programa No Mundo da Bola, da TV Brasil

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp