25°C
Clear sky

Comissão Mista aprova matéria do Governo que propõe mudanças na GoiasPrev e no RPPS e outros projetos

Com trabalhos comandados pelo presidente em exercício, deputado Amauri Ribeiro (Patriota), a Comissão Mista deliberou quatro matérias da Governadoria do Estado, na reunião híbrida realizada nesta terça-feira, 21. O colegiado aprovou três projetos e um recebeu pedidos de vista. As proposições aprovadas seguem, agora, para a apreciação do Plenário da Assembleia Legislativa. 
Destaque para a aprovação do parecer favorável do relator, deputado Wilde Cambão (PSD), à proposição de nº 10191/22, que sugere mudanças na Lei Complementar nº 66/2009, a qual institui a Goiás Previdência (GoiasPrev), e revoga dispositivos da Lei Complementar nº 161/2020, responsável por estabelecer o Regime Próprio de Previdência dos Servidores Públicos (RPPS). A GoiasPrev é gestora do RPPS e do Sistema de Proteção Social dos Militares (SPSM) no estado.
A matéria, oriunda do Executivo, propõe uma série de novidades, entre elas, possibilitar à autarquia previdenciária estadual a concessão de empréstimos consignados aos segurados do RPPS. Nesse caso, deverão ser observadas as diretrizes específicas estabelecidas pelo Conselho Monetário Nacional.
Outra alteração sugerida é o aumento de 1,1% para 1,5%, da taxa de administração incidente sobre o somatório da remuneração de contribuição de todos os servidores e militares ativos vinculados ao RPPS-GO e ao SPSM-GO. A cobrança visa custeio de despesas correntes e de capital necessárias à organização e ao seu funcionamento, inclusive à conservação do patrimônio.
Tendo em vista a contratação de plataforma digital para acesso aos dados do Sistema Nacional de Informações de Registro Civil (SIRC), que capta e trata dados dos registros civis do Brasil, o texto em questão também revoga o dispositivo da Lei Complementar nº 161/2020, que obriga pensionistas a comparecerem presencialmente em cartórios para buscarem segunda via de certidões para comprovar manutenção de estado civil e a condição de dependentes previdenciários.
Além disso, a matéria também prevê mudança nas denominações do Conselho Estadual de Previdência e do Conselho Fiscal, os quais passam a se chamar Conselho Deliberativo da GoiasPrev (CDG) e Conselho Fiscal da GoiasPrev (CFG). 
A Comissão Mista aprovou, com os votos contrários dos deputados Delegado Humberto Teófilo (Patriota), Antônio Gomide (PT) e Major Araújo (PL), a matéria de nº 10190/22, que propõe alteração da estrutura organizacional da Secretaria da Economia com a criação da Assessoria Especial de Monitoramento Fiscal e Planejamento Financeiro, Assessoria de Monitoramento Fiscal e Assessoria de Planejamento Financeiro.
A mudança da Lei n° 20.491, de 25 de junho de 2019, a qual estabelece a organização administrativa do Poder Executivo, busca conferir equilíbrio às competências e às atribuições das unidades para promover maior eficiência aos serviços prestados.
De acordo com a justificativa da propositura, a ampliação da equipe será a fim de otimizar a gestão da política fiscal estadual para que ela possa atender às demandas e oferecer meios de equilíbrio durante a permanência do Estado de Goiás no Regime de Recuperação Fiscal (RRF) e após sua saída.  
A propositura recebeu parecer favorável do relator, deputado Francisco Oliveira (MDB), e voto em separado do deputado Humberto Teófilo pela rejeição da matéria. Ao ser colocado em votação, o líder do Governo, deputado Bruno Peixoto (UB), solicitou vista, e devolveu, na sequência, com voto em separado mantendo o relatório original de Francisco Oliveira.
O projeto de lei nº 10233/22 teve o relatório favorável do deputado Amilton Filho (MDB) aprovado por unanimidade. A propositura visa autorizar o chefe do Poder Executivo a alienar o imóvel que especifica mediante doação onerosa do município de Bom Jesus de Goiás.
Matéria com pedidos de vista
A proposição de nº 10217/22, de autoria do deputado Virmondes Cruvinel (UB), recebeu pedidos de vista dos deputados Humberto Teófilo, Major Araújo, Coronel Adailton (PRTB) e Antônio Gomide. A propositura tem o objetivo de alterar a Lei n° 11.651, de 26 de dezembro de 1991, que institui o Código Tributário do Estado de Goiás (CTE).
De acordo com o texto, o objetivo é ampliar o parcelamento do crédito tributário do Imposto sobre a Transmissão Causa Mortis e Doação de Quaisquer Bens ou Direitos (ITCD), permitindo que esse também seja semestral. “O parcelamento, nos termos do art. 151 do Código Tributário Nacional, é uma forma de suspensão da exigibilidade do crédito tributário. Por meio dessa medida de política fiscal, o Estado procura criar condições práticas para possibilitar que os contribuintes cumpram com suas obrigações com o Fisco”, explica Virmondes em suas justificativas.
De acordo com o autor da proposta, o CTE já prevê a possibilidade de parcelamento do ITCD em até 48 parcelas mensais e sucessivas (art. 84, S 3°). Todavia, ocorre que, em Goiás, destaca-se a atividade agrária e, considerando os ciclos dessas atividades econômicas, o parcelamento mensal não é o ideal. Sendo assim, a ampliação das possibilidades de parcelamento poderá ocorrer de duas formas: a) em até 48 parcelas mensais; ou b) em até oito parcelas semestrais.
O relatório é assinado pelo relator, deputado Wilde Cambão (PSD), que manifestou parecer favorável. 

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp