30°C
Few clouds

CoronaVac poderia ser adaptada à variante ômicron em três meses, diz cientista

Uma nova versão da vacina CoronaVac efetiva contra a variante ômicron do SARS-CoV-2 pode estar disponível em até três meses.

O anúncio foi feito na terça-feira (7) por Yaling Hu, coordenadora dos estudos sobre a vacina na China, durante a abertura de um seminário internacional promovido pelo Instituto Butantan que acontece até hoje (09/12) de forma virtual. A instituição produz o imunizante no Brasil em parceira com a indústria farmacêutica chinesa Sinovac Biotech.

“O desenvolvimento [de uma versão] da vacina contra a cepa ômicron poderá ser concluído em três meses”, afirmou Hu. De acordo com a pesquisadora, inicialmente serão feitos testes in vitro de anticorpos neutralizantes contra a nova cepa induzidos pela vacina, que devem ser concluídos em até duas semanas. “Temos capacidade de fazer 2 mil ensaios por dia para detecção de anticorpos neutralizantes contra múltiplos vírus”, afirmou Hu.

Se os testes forem bem-sucedidos, uma fórmula da vacina efetiva contra a ômicron será avaliada em testes clínicos com pacientes de diferentes faixas etárias, cronogramas de imunização e intervalos de tempo de aplicação de dose de reforço.

“A capacidade de fornecimento da vacina contra a ômicron pode ser de cerca de 1 a 1,5 bilhão de doses por ano”, disse Hu.

Imunidade em Serrana

Durante o evento foram apresentados os últimos resultados de eficácia e segurança do imunizante contra a COVID-19 e os fundamentos científicos do Projeto S, realizado na cidade de Serrana (SP).

Os resultados do estudo, apoiado pela FAPESP, mostraram que a efetividade da CoronaVac foi de 80,5% contra casos sintomáticos, 95% contra hospitalizações e 94,9% contra óbitos.

A imunidade coletiva contra casos sintomáticos foi atingida com 52% da população adulta da cidade vacinada, afirmou Marcos Borges, professor da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FMRP-USP).

“A partir da 13ª semana do estudo, quando 52% da população já tinha sido vacinada, começarmos a observar uma redução significativa dos casos sintomáticos que perdurou até o final da pesquisa”, afirmou Borges.

“Isso demonstra que, com 52% da população completamente vacinada, Serrana atingiu a imunidade coletiva”, disse Borges.

A FAPESP apoia, desde 2020, os ensaios clínicos fase 3 da CoronaVac, junto com a iniciativa Todos pela Saúde, do Itaú Unibanco, assim como as investigações relacionadas à resposta imune da vacina desenvolvida pela Universidade Oxford (Reino Unido) em parceria com a AstraZeneca, realizadas por pesquisadores da Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (EPM-Unifesp).

O post CoronaVac poderia ser adaptada à variante ômicron em três meses, diz cientista apareceu primeiro em Governo do Estado de São Paulo.

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp