17°C
Clear sky

Deputados dizem que projeto sobre crimes contra o Estado reforça poderes e limites de instituições

Pablo Valadares/Câmara dos Deputados
Votações em Plenário

A maioria dos partidos apoiou a votação do Projeto de Lei 6764/02, que revoga a Lei de Segurança Nacional e tipifica crimes contra o Estado Democrático de Direito. Diversos deputados afirmaram que o texto aprovado reforça os poderes e limites de cada instituição.

A discussão sobre a Lei de Segurança Nacional ganhou relevância após a prisão do deputado Daniel Silveira (PSL-RJ) pelo Supremo Tribunal Federal (STF) por ataques feitos a ministros. A norma também foi utilizada pelo Ministério da Justiça contra críticos do presidente da República, Jair Bolsonaro. O youtuber Felipe Neto, o jornalista Ricardo Noblat, o chargista Renato Aroreira e o advogado Marcelo Feller foram alvo de pedidos de inquérito baseados na LSN.

Para o deputado Alencar Santana Braga (PT-SP), a atual Lei de Segurança Nacional remonta a tempos ditatoriais e não deveria estar em vigor em 2021. “Esse novo marco é condizente com o Estado democrático que nós defendemos. O Judiciário vai ter melhores parâmetros para poder agir quando provocado. Não é justo que legislações como essas ainda sejam utilizadas”, disse. Ele criticou a prisão do ativista Rodrigo Pilha após protesto contra Bolsonaro.

O deputado Carlos Jordy (PSL-RJ) criticou a proposta em discussão. “Se é para torná-la melhor, ela deveria estar sendo melhorada, não da forma que ela vem: trazendo consigo diversos dispositivos que são ruins da antiga Lei de Segurança Nacional e também trazendo questões muito piores para a nova legislação, fazendo que ações de grupos armados, como black blocks e MTST, possam estar sendo legitimadas, legalizadas”, disse.

O deputado Daniel Coelho (Cidadania-PE), no entanto, ressaltou que a legislação atual é que está permitindo a perseguição de opositores e até apoiadores do governo com o objetivo de limitar as opiniões, sejam elas de direita, de esquerda, a favor ou contra o governo. “Quem é a favor da democracia e da liberdade é a favor da democracia e da liberdade de forma plena. O relatório substitui uma lei da ditadura por uma lei do tempo democrático, onde excessos serão punidos, mas onde teremos a garantia da liberdade de expressão”, defendeu.

Normas eleitorais
As mudanças na legislação eleitoral, como a inclusão de dispositivos contra violência política e fake news, foram criticadas pelo deputado Marcel Van Hattem (Novo-RS). “Se é para tratar de crimes cometidos durante o período eleitoral que possam ser capazes de comprometer a higidez do processo, outros crimes deveriam ser incluídos aqui, como, por exemplo, o de caixa dois”, criticou.

A relatora do projeto, deputada Margarete Coelho (PP-PI), defendeu as mudanças. Segundo ela, ainda que os temas eleitorais sejam debatidos por uma comissão especial, é necessário incluir esses pontos na proposta em defesa da democracia.

Movimentos sociais
Para a líder do Psol, deputada Talíria Petrone (Psol-RJ), a proposta ficou aquém das expectativas do partido. Ela afirmou que a lei mantém a lógica do “inimigo interno”. “O texto prevê tipos penais extremamente abertos e sabemos como esses tipos penais abertos podem levar à criminalização de movimentos sociais, sabemos quão seletivo é o estado penal”, disse.

A relatora disse que Talíria fez uma interpretação distorcida da proposta. “O projeto é muito claro quando diz que atentado ao direito de manifestação é um crime contra a cidadania”, explicou Margarete Coelho.

O deputado Orlando Silva (PCdoB-SP) também saiu em defesa da proposta. “Não seríamos nós, do PCdoB, que iríamos escrever uma lei que perseguisse movimentos sociais”, declarou.

Mais informações em instantes

Acompanhe pelo YouTube

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp