21°C
Clear sky

Em 10 anos, 85 pessoas morreram por problemas associados ao albinismo

Entre 2010 e 2020, 85 pessoas albinas morreram por questões relacionadas ao albinismo. Do total de mortes, 24 (28%) tiveram a condição como causa básica e outros 61 (71,8%) tiveram o albinismo como causa associada ao óbito.

O albinismo é uma condição genética que pode provocar problemas visuais, mais sensibilidade para efeitos do sol (como queimaduras) e lesões e neoplasias na pele. Os dados foram divulgados em um Boletim Epidemiológico do Ministério da Saúde sobre o tema, divulgado hoje (27).

Os estados com mais mortes no período analisado foram Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Bahia. Na distribuição por faixa etária, 31,36% tinham menos de 5 anos, 27,32% eram de faixas etárias entre 15 e 49 anos, 16,19% tinham mais de 60 anos e 11,13% estavam no grupo de 5 a 14 anos.

Recomendações

O Boletim Epidemiológico traz um conjunto de recomendações para fortalecer a saúde desse público. É preciso fomentar o diagnóstico precoce e formar profissionais de saúde para avaliar a relação entre os óbitos e essa condição, bem como o registro no sistema de informações.

O documento indica a importância de melhorar o registro de dados sobre o albinismo nos sistemas de informação do Ministério da Saúde, bem como a capacidade dos gestores e trabalhadores assegurarem a captação desses dados em todo o território nacional.

Albinismo

Segundo o documento, o albinismo é uma “condição de origem genética caracterizada pelo déficit na síntese e distribuição de melanina (proteína cuja principal função é conferir proteção contra radiação solar) na pele, pelos e olhos”.

A condição pode ocorrer como uma síndrome, situações mais raras, ou sem essa característica sindrômica, como o albinismo ocular. No Brasil, a estimativa de estudos é que o albinismo seja mais comum em regiões com maior incidência de afrodescendentes.

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp