24°C
Clear sky

Em tempos de Covid, o dia de cobertura paralímpica começa mais cedo

Toda cobertura esportiva no exterior envolve uma série de tarefas diárias e responsabilidades para o bom funcionamento de toda a estrutura de trabalho. É tão importante, por exemplo, estar ciente dos horários dos ônibus que levam às arenas das competições, quanto estar sempre de posse de passaporte e credencial a todo destino que você possa escolher.

Em Tóquio, a rotina dessas pequenas coisas, teve um acréscimo por conta da Covid. É verdade que cada um cumpre as determinações de distanciamento, uso de álcool gel e outras medidas com assiduidade diferente. E a organização dos Jogos nem sempre é atenta a isso. Mas uma das medidas protetivas é cumprida à risca: os testes para controle de possíveis casos de infeção, que possam surgir depois da chegada dos profissionais de imprensa ao Japão.

Todo mundo que chega a Tóquio para cobrir os Jogos, deve testar obrigatoriamente nos três primeiros dias depois do desembarque. O tipo de testagem é o PCR, mas não o que costumamos fazer no Brasil, com um cotonete dentro do nosso nariz. Aqui, o material coletado é a saliva e a própria pessoa é que separa o conteúdo. Para isso, você precisa colocar uma quantidade não muito grande de saliva em um frasco pequeno, tampar e entregá-lo a um setor específico no MPC – o centro de mídia dos Jogos – ou em alguma das arenas. Essa amostra é associada a um código de barras, justamente para que se saiba, entre milhares de amostras, qual é exatamente a sua e qual resultado de fato é o seu. 

Por causa da possibilidade de o resultado poder ser considerado inclusivo, não devemos ingerir nada nos trinta minutos anteriores à coleta. Nada de bebidas, comidas, escovar dentes ou fumar (o que na verdade é proibido em diversos locais em Tóquio, mesmo ao ar livre).  E como em toda cobertura como essa qualquer minuto faz diferença, o melhor é acordar mais cedo para a coleta. Se a ideia era levantar às 7h, que tal levantar às 6h55 e se livrar logo disso?

Vimos muita gente envolvida na cobertura dos jogos  – praticamente todo mundo – com a máscara protetiva e usando os aplicativos do governo japonês, para informar suas condições de saúde. Mas a testagem é mesmo o método mais eficiente de se ter realmente controle. A depender do tipo de atividade daqueles envolvidos na cobertura dos Jogos, a frequência dos exames muda após os três primeiros dias. No nosso caso, testaremos todos os dias até o fim da Paralimpíada. E caso alguém esteja nervoso, não deixei para o final de propósito, mas sim, até agora só testamos negativo mesmo. 

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp