19°C
Clear sky

Entidades elogiam Plano Nacional do Desporto e pedem recursos para implementá-lo

Elaine Menke/Câmara do Deputados
Deputado Afonso Hamm fala ao microfone durante o debate nesta terça

Dirigentes dos comitês olímpicos e paralímpicos avaliaram nessa terça-feira (10) que o Plano Nacional do Desporto, em análise na Câmara dos Deputados, vai diversificar as modalidades praticadas no Brasil e ampliar a participação de pessoas com deficiência no esporte.

Eles participaram de audiência pública promovida pela Comissão do Esporte da Câmara sobre o Projeto de Lei 409/22, que cria o Plano Nacional do Desporto. O plano, que é reivindicação antiga de organizações do setor, estava previsto na Lei Pelé, editada há quase 20 anos.

O PL 409/22 traz diretrizes de fomento de esportes tanto no âmbito escolar quanto para a população em geral, e pretende garantir acesso ao esporte a todos os brasileiros, utilizando os equipamentos existentes e criando outros centros desportivos.

Saiba mais sobre a tramitação de projetos de lei

Universalização do esporte

O diretor do Comitê Olímpico Brasileiro, Rogério Sampaio, disse aos deputados que a universalização da prática desportiva prevista no Plano Nacional do Desporto vai fazer com que o Brasil deixe de ser um país que se destaca em apenas algumas modalidades desportivas.

“Uma diversidade de modalidades, além de trazer democratização olímpica, possibilita o aparecimento, em diversos esportes, de ídolos que podem inspirar crianças e jovens com perfis diferentes de biótipo. Isso faz com que o esporte seja mais democrático”, afirmou.

Paratletas

Já o presidente do Comitê Paralímpico Brasileiro, Mizael Conrado, destacou o empenho da entidade para que crianças e jovens com necessidades especiais também tenham acesso à prática desportiva, o que pode ser ainda mais ampliado após a aprovação do plano.

“Nós criamos as escolinhas de esporte e nesse ano vamos concluir os 35 centros de referência por todo o Brasil. Todas as regiões do País vão contar com uma escolinha de esportes, com um centro de formação. São ações que precedem o alto rendimento que, na verdade, é o objetivo principal do nosso comitê e das nossas confederações”, explicou.

Recursos

O representante da Associação Brasileira dos Secretários de Esporte e Lazer Humberto Panzetti, no entanto, lembrou que 30% dos municípios brasileiros não têm orçamento para esporte. Para colocar as metas do plano em ação, lembrou, será preciso garantir recursos para implementação dos equipamentos necessários, assim como a qualificação dos profissionais de educação física.

O relator da proposta, deputado Afonso Hamm (PP-RS), afirmou que as sugestões estão sendo analisadas, e que os recursos para a manutenção do Fundo do Esporte estão sendo analisados pela assessoria da Câmara. “Nós teremos que buscar realmente novas fontes[ de recursos], mas esse é o desafio, né?”.

Já Hugo Rocha, representante do Instituto Península, que trabalha na formação de professores, defendeu a criação do Observatório Nacional do Esporte para acompanhar os investimentos e monitorar os avanços.

Ele pediu ainda tratamento diferenciado para o aluno atleta, que muitas vezes tem seu rendimento acadêmico prejudicado por causa dos calendários desportivos. Segundo Rocha, é preciso criar mecanismos nas diretrizes educacionais que protejam esses estudantes.

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp