20°C
Overcast clouds

Entidades sugerem mudanças no parecer sobre Código de Processo Penal

Reprodução/Youtube
Deputado Hugo Leal espera que as sugestões das entidades contribuam para aprimorar o relatório-geral

A comissão especial que analisa o projeto que institui o novo Código de Processo Penal (PL 8045/10 e 364 apensados) recebeu, nesta terça-feira (4), uma série de sugestões ao parecer apresentado pelo deputado João Campos (Republicanos-GO), no dia 13 de abril. As recomendações foram apresentadas por 13 entidades e referem-se ao tema “provas e ações de impugnação”.

O relator parcial, deputado Hugo Leal (PSD-RJ), espera que as sugestões das entidades contribuam para aprimorar o relatório-geral. Algumas das propostas que merecem atenção, na visão de Leal, referem-se às oitivas de crianças e adolescentes; ao reforço do trabalho da perícia criminal, que deve ter autonomia e independência; e à criação de uma sistemática específica para o reconhecimento de suspeitos de crimes.

Além disso, o parlamentar acredita que o texto pode avançar no que se refere à validade de provas obtidas de forma ilícita e na obrigatoriedade de exame de DNA para réus.

Prazo
O deputado Subtenente Gonzaga (PDT-MG) se preocupa com o prazo previsto para a análise da matéria e defende que ele seja estendido.

Presidente da comissão, o deputado Fábio Trad (PSD-MS) ressaltou que a matéria tramita na Câmara desde 2010 e que as entidades já estão sendo ouvidas pela terceira vez. “O presidente Arthur Lira (PP-AL) quer a discussão do projeto de Código de Processo Penal em Plenário”, frisou.

Trad adiantou ainda que a discussão e a votação do texto na comissão ocorrerão de segunda a sexta-feira da próxima semana.

“Embora exíguo o prazo, precisamos de um esforço suplementar para que tenhamos um novo Código de Processo Penal”, disse. O código atual é de 1941.

Reprodução/Youtube
Deputado Fábio Trad anuncia votação da proposta na próxima semana

Oitivas de crianças e adolescente
Anie Barretto, do Conselho Nacional de Chefes de Polícia Civil, sugere que sejam retirados do relatório os trechos que regulam a inquirição de criança ou adolescente como vítima ou testemunha (artigos 227 a 230). Segundo ela, o tema já é regulado de forma eficiente pela Lei 13.431/17, que trata do sistema de garantia de direitos da criança e do adolescente vítima ou testemunha de violência.

“Para que a criança não seja revitimizada, ela precisa ser ouvida uma única vez, e a lei traz regulação para que isso aconteça”, explicou. Ela destacou que hoje o depoimento especial é colhido pela autoridade judiciária, preferencialmente, ou pela policial, seguindo protocolos específicos.

Reconhecimento de suspeitos
Diversas entidades pediram que o reconhecimento de suspeitos de crimes seja balizado por procedimentos e que isso seja incluído no relatório. “Por exemplo, devem ser feitas perguntas para o reconhecedor sobre a distância do suspeito e tempo que visualizou o rosto”, sugeriu Rivana Ricarte, da Associação Nacional das Defensoras e Defensores Públicos.

Para ela, deve ser esclarecido ao reconhecedor que nenhum dos suspeitos apresentados pode ser de fato o criminoso, e o reconhecimento deve ser corroborado por outros elementos de prova. Além disso, deve ser eliminado o reconhecimento fotográfico.

Gustavo Noronha de Ávila, do Instituto Brasileiro de Ciências Criminais, destacou que estudos atestam que o reconhecimento mal conduzido leva a erros judiciais. Ele acredita que o reconhecimento fotográfico só pode ser utilizado com critérios rigorosos, seguindo protocolos científicos, para evitar que inocentes sejam condenados ou que culpados ficam soltos. Para ele, o relatório atual do CPC não traz esse regramento, e isso deve ser incorporado ao texto.

Já Walter Nunes, da Associação dos Juízes Federais, e Rodolfo Queiroz Laterza, da Associação dos Delegados de Polícia do Brasil acreditam que deve haver cautela e técnica, mas o reconhecimento fotográfico não deve ser excluído como prova.

Para Laterza, os problemas relacionados ao reconhecimento fotográfico – como o argumento de que induziria à discriminação racial, por exemplo – não traduzem a maioria dos casos.

Perícia criminal
O presidente da Associação Nacional dos Peritos Criminais, Marcos Camargo, criticou o texto por praticamente “extinguir a perícia criminal”. Conforme ele, a legislação atual deixa claro que a perícia é imprescindível nos crimes que deixam vestígios, sendo a ausência de perícia causa de possível nulidade e sendo garantida a autonomia dos peritos.

“A perícia, no relatório final, deixa de ser imprescindível. A ausência da perícia deixa de ser causa de possível nulidade, e a autonomia da perícia também não é garantida”, criticou. Ele pede a manutenção das garantias já previstas hoje aos peritos.

Papel do juiz
Danniel Bomfim, da Associação dos Magistrados Brasileiros, por sua vez, ressaltou que hoje cerca de 98% das provas no processo penal hoje é testemunhal. Ele pede mudanças no texto, que na visão dele limita o papel do juiz. Na visão dele, o juiz – destinatário das provas – deve poder chamar testemunhas, para poder sanar dúvidas e conhecer melhor o caso.

Coronel Elias Miler, do Conselho Nacional dos Comandantes-Gerais da Polícia Militar, também discorda das limitações trazidas ao texto em relação ao trabalho do juiz. “Estamos isolando o juiz numa redoma”, avaliou. Para ele, o juiz deve poder dirimir suas dúvidas sobre pontos relevantes, conforme já previsto hoje no CPP.

Provas ilícitas
Coronel Miler acredita que também precisa ser melhor regulado o uso de provas ilícitas e disse que hoje não há “ponderação de valores”. Ele deu exemplo: “Há uma invasão de domicílio, que é um crime de menor potencial ofensivo, e lá dentro é encontrado um corpo. Se eu usar isso de forma absoluta, o corpo que está ali não pode ser utilizado como prova de homicídio, porque foi obtido de forma ilícita.” Para ele, é preciso “amadurecer a discussão”.

Representante da Associação Nacional dos Membros do Ministério Público, Sauvei Lai defendeu que a prova ilícita possa ser usada em favor do réu. Ele disse que esse entendimento já é consagrado em jurisprudência e defende que seja incorporado ao código. O promotor defende também que seja regulado, pelo novo código, o exame obrigatório de DNA, desde que respeitada a dignidade humana e a saúde.

Prova emprestada
A defensora pública Rivana Ricarte pediu ainda que não seja admitida a chamada prova emprestada (produzida em outro processo) na prova testemunhal. “Nos parece absurdo que seja admitido depoimento tomado em outro processo em que o acusado participou e que não foi submetido a inquisição do advogado do réu”, disse.

Já Bruno Calabrich, da Associação Nacional dos Procuradores da República, criticou o trecho do relatório que prevê que toda testemunha só seja ouvida acompanhada de advogado.

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp