21°C
Overcast clouds

Estudo apresenta o mais completo fóssil de tapejarídeo do Brasil

Um fóssil de dinossauro interceptado pela Polícia Federal (PF), em Santos (SP), em 2014, foi anunciado nessa semana, por pesquisadores brasileiros, como o fóssil de tapejarídeo mais bem preservado encontrado até hoje. Os tapejarídeos viveram entre 145 milhões e 100,5 milhões anos atrás, durante o período Cretáceo, eram voadores, desdentados e se caracterizavam por uma gigantesca crista que adornava sua cabeça.

O artigo com a análise do material foi publicado, no último dia 25, na revista científica Plos One e tem como primeiro autor o paleontólogo da Universidade de São Paulo (USP), Victor Beccari.

O fóssil foi uma das cerca de 3 mil peças que a Polícia Federal interceptou de traficantes, em Santos, em 2014. Elas são normalmente contrabandeadas para a Europa, Estados Unidos e outros países do Hemisfério Norte.

“A descoberta renova a discussão sobre tráfico de fósseis e a necessidade do combate ao comércio ilegal destas joias científicas”, destacou Beccari.

O material é oriundo da região da Chapada do Araripe, localizada nos estados do Ceará, de Pernambuco e do Piauí, no Nordeste do país, tem 2,5 metros de envergadura e uma crista de 0,5 metro de altura no topo da cabeça. As análises sugerem que ele pertence a uma espécie já conhecida, o Tupandactylus navigans.

“Os fósseis desta espécie descobertos anteriormente haviam preservado basicamente apenas a cabeça do espécime”, ressaltou o biólogo Ivan Nunes Silva Filho, professor do campus da Universidade Estadual Paulista (Unesp), no Litoral Paulista. “Esta é a primeira vez que foi encontrado um fóssil quase completo do corpo de um destes animais para investigar na América do Sul”, acrescentou.

De acordo com os pesquisadores, até mesmo parte dos tecidos moles foi preservada pelo processo de fossilização, o que é algo extremamente raro. O estudo da morfologia sugere que, embora fosse capaz de planar, o animal não devia ser muito bom em se deslocar pelo céu. O mais provável é que passasse a maior parte do tempo se alimentando em terra.

 

* Com informações da Universidade Estadual Paulista (Unesp)

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp