23°C
Overcast clouds

Fiocruz: covid-19 represa atendimentos de outras doenças no SUS

A expansão forçada no atendimento à pandemia de covid-19 acabou levando a um represamento no atendimento a outras enfermidades no país, de janeiro de 2020 a junho de 2021, com diminuição de 1,7 milhão de internações, sendo 1,2 milhão de internações eletivas. O dado foi apontado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), em nota técnica divulgada nesta terça-feira (9).

“A covid-19 teve a capacidade de colapsar sistemas de saúde, e um dos reflexos mais evidentes desse processo é a avaliação do excesso de mortalidade provocado pela doença, sobretudo nos períodos de maior ocorrência de óbitos quando o sistema teve graves problemas para atender toda a população. Os picos de óbitos observados em 2020 e em 2021 coincidem com o colapso e a diminuição do atendimento por causas não covid-19 durante o processo epidêmico”, destacaram os especialistas da Fiocruz na nota técnica.

Segundo a fundação, os dados de mortalidade apontam que nos períodos em que ocorreram os maiores volumes de óbitos por covid-19 coincidem com os maiores volumes de óbitos por outras causa, e também coincidem com os menores volumes de atendimentos em diversos sistemas o que sugere o colapso e represamento dos problemas de saúde.

“A observação de dados de diferentes sistemas de informação ajuda a entender o cenário de desassistência em saúde que o país enfrentou durante a epidemia de covid-19, e o enorme passivo de atendimentos que ficaram represados e teremos que enfrentar. O indicador de excesso de mortalidade que dá uma dimensão mais real dos óbitos diretos e indiretos pela doença destaca que nos períodos onde ocorreu o maior volume de óbitos pela doença também parece ser o período com o maior volume de óbitos por outras causas”, apontou a nota.

Exemplos dos efeitos do superdirecionamento do atendimento na rede SUS à covid-19, em detrimento de outras enfermidades e necessidades de tratamento, foram as quedas dos atendimentos por glaucoma e catarata, que são cirurgias eletivas e que realizadas no momento oportuno evitam o agravamento da doença, mas que, sem tratamento pode trazer impactos indiretos como a cegueira.

Ministro

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, em entrevista a jornalistas, comentou, entre outros assuntos, a distorção causada pela covid-19 no atendimento às demais necessidades do sistema de saúde, dizendo que a expectativa é reequilibrar a oferta ao longo do próximo ano.

“Têm as outras doenças crônicas não transmissíveis, cardiovasculares, câncer, que, de certa forma, foram negligenciadas durante a pandemia. Durante o ano de 2021, já se restabeleceu o atendimento, mesmo o Brasil tendo sofrido muito com a variante gama, mas o sistema de saúde estava mais preparado. No ano que vem, nós precisamos atender as cirurgias eletivas que foram suspensas. Mas precisa do orçamento, e o Ministério da Saúde tem trabalhado para isso”, disse Queiroga.

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp