26°C
Overcast clouds

Florestas Nacionais qualificadas para concessão seguirão modelo de manejo sustentável

As primeiras concessões florestais na região Sul foram incluídas no Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) em abril. São a Floresta Nacional (Flona) de Chapecó (PR), a Floresta Nacional de Irati (PR) e a Floresta Nacional de Três Barras (SC), que somam quase 10 mil hectares. As concessões abrangem a prática de manejo florestal, que alia o desenvolvimento e geração de emprego e renda à proteção ambiental.

A concessão florestal permite ao concessionário apenas o direito de praticar o manejo florestal sustentável, que é aquele que emprega técnicas que tornam possível extrair produtos com o menor impacto ambiental possível. Isso significa que as empresas podem extrair produtos madeireiros e não madeireiros, além de oferecer serviços de turismo.

O diretor de Concessões Florestais e Monitoramento, do Serviço Florestal Brasileiro, Paulo Carneiro, explicou que o manejo florestal sustentável é uma prática reconhecida mundialmente. “Ao valorizar a floresta em pé, o manejo permite que a gente use, que a sociedade reconheça naquela floresta um valor. E isso ajuda na conservação. Então, o manejo é uma prática sustentável e de baixíssimo impacto na floresta.”

O Brasil tem quase 310 milhões de hectares de florestas públicas, a maior parte localizada na região amazônica. Em torno de 30 milhões de hectares estariam potencialmente aptos a serem incluídos na concessão florestal, segundo Paulo Carneiro.

Outras iniciativas

Também em abril, três Florestas Nacionais localizadas no estado do Amazonas foram qualificadas para concessão à iniciativa privada no Programa de Parcerias de Investimentos (PPI). A Flona de Balata-Tufari, Flona de Pau Rosa e Flona de Jatuarana.

Manejo e desenvolvimento

Os principais objetivos da política de concessões florestais são conservar as florestas públicas brasileiras, promover a produção sustentável, estimular o desenvolvimento econômico regional e melhorar a qualidade de vida das populações que vivem no entorno dessas áreas, de acordo com o Serviço Florestal Brasileiro.

O diretor Paulo Carneiro explicou que os concessionários estão sujeitos a um controle rígido das atividades, que inclui um sistema de cadeia de custódia e de sensoriamento remoto que detecta corte seletivo da floresta, além de vistorias a cada três anos e auditoria independente nos contratos. “Temos bastante segurança em afirmar que os contratos estão sendo bem cumpridos e isso acarreta em um bom manejo da floresta e um baixo impacto ambiental.”

Concessão em números

De acordo com o Serviço Florestal Brasileiro, as concessões florestais do Governo Federal arrecadaram, até fevereiro deste ano, R$ 102 milhões. O valor representa a soma de todos os pagamentos recebidos das empresas concessionárias desde o início do programa, em 2010, e se refere aos 15 contratos ativos.

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp