18°C
Clear sky

Governo de Goiás torna gasolina R$ 0,26 mais barata ao congelar ICMS dos combustíveis

A congelamento da pauta do ICMS dos combustíveis, em vigor desde novembro do ano passado, resultou em uma queda de arrecadação estimada em R$ 375,8 milhões, segundos cálculos da Secretaria de Estado da Economia. O número abrange os últimos sete meses e demonstra que o preço que chega ao consumidor não é impactado pelo imposto estadual.

O Governo de Goiás estabeleceu o congelamento com o objetivo de atenuar as frequentes altas da gasolina, do etanol, do óleo diesel e do gás de cozinha. “Nós estamos subsidiando o preço ao contribuinte, deixando de receber para que ele pague menos. Nós estamos abrindo mão de receita”, afirma o governador Ronaldo Caiado.

O Estado de Goiás usa o preço de R$ 6,55 como referência para cobrar o imposto da gasolina comum, desde o ano passado. Nas bombas, segundo dados levantados nesta quarta-feira (04) pela Gerência de Combustíveis da Secretaria da Economia, tendo como base os cupons fiscais, o litro é vendido por R$ 7,46 em média. Ou seja, uma diferença de R$ 0,91. E, caso o governo não tivesse congelado, o litro da gasolina estaria sendo de R$ 7,72, o que resultaria em preço médio R$ 0,26 mais caro.

O maior impacto na arrecadação foi no óleo diesel S10 e S500 com a redução de R$ 220,2 milhões no período. O produto está com preço fixado em R$ 5,02 para a cobrança do ICMS, mas está sendo vendido nas bombas em média por R$ 6,67. Sem o congelamento o preço seria R$ 6,93. Na venda local da gasolina o Estado registra perda de R$ 101,8 milhões no período, a segunda em importância, logo após o diesel.

Na comercialização do gás de cozinha e do etanol hidratado as perdas na arrecadação foram similares no período. No etanol hidratado foi de R$ 27 milhões e no gás de R$ 26,2 milhões. A referência para a cobrança do ICMS do etanol é de R$ 4,77 usada no início do congelamento. O produto custa em média R$ 5,26 nas bombas. Sem o congelamento seria R$ 5,38. Já o botijão de gás tem como base o valor de R$ 104,52 embora esteja custando em média R$ 122,56, diferença de R$ 18. Sem o congelamento, seria R$ 124,72.

O Estado incluiu o período de sete meses na conta pois em maio o preço médio ponderado ao consumidor final (PMPF) foi mantido no congelamento, que será estendido até 30 de junho. Em junho, o Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) volta a se reunir para decidir se mantém ou revoga o congelamento.

O Governo de Goiás defendeu, desde o início, tanto nas reuniões do Fórum de Governadores como nas reuniões do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), que reúne os secretários de Fazenda e Economia do país, a manutenção do congelamento do ICMS sobre os combustíveis.

O post Governo de Goiás torna gasolina R$ 0,26 mais barata ao congelar ICMS dos combustíveis apareceu primeiro em Agência Cora Coralina de Notícias.

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp