29°C
Overcast clouds

Governo Federal divulga orientações para garantir qualidade no acolhimento a indígenas venezuelanos

Após oferecer cerca de 900 mil atendimentos na fronteira e interiorizar mais de 56 mil migrantes e refugiados venezuelanos por meio da Operação Acolhida, o Governo Federal deu mais um passo para garantir qualidade no acolhimento a indígenas venezuelanos. O Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH) lançou, na terça-feira (5), duas cartilhas com orientações sobre o trabalho social e a proteção comunitária voltados para pessoas indígenas refugiadas e imigrantes.

O objetivo das publicações é apoiar gestores da assistência social a estruturar suas políticas de atendimento de forma efetiva, garantindo a proteção dos direitos dos venezuelanos. Além disso, com as cartilhas, o MMFDH busca ajudar na prevenção de violações de direitos dentro e fora das comunidades e na formulação de respostas, por meio do processo de proteção comunitária.

Saiba mais sobre as duas publicações:

Guia de referência para o trabalho social com a população indígena refugiada e imigrante

Este documento reúne subsídios para o trabalho voltado às pessoas em situação de vulnerabilidade, risco social e violação de direitos. “A garantia de acesso à política de assistência social para todas as pessoas que dela necessitem é um dever do Estado e um direito da população. Esse acesso não pode ser restringido por discriminações contra mulheres, pessoas LGBT ou por cor ou etnia/raça, idade, religião, região de origem, condição física ou de saúde, entre outras”, declara o guia.

Acesse aqui

Guia de Proteção Comunitária de Pessoas Indígenas, Refugiadas e Imigrantes

Nesta cartilha, o MMFDH afirma que a garantia dos direitos humanos passa pela atenção às especificidades dos grupos que vivem no Brasil e que a oferta de serviços públicos deve considerar crenças, formas de organização e visões desses grupos. A cartilha oferece diretrizes sobre possibilidades de prevenção e resposta a violações de direitos dentro e fora das comunidades, por meio do processo de proteção comunitária: “Apesar de ter como recorte a população indígena, refugiada e imigrante, ela pode ser considerada também para trabalho com outros perfis”.

Acesse aqui

Com informações do MMFDH

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp