27°C
Few clouds

Handebol: Brasil fica a uma vitória das quartas do Mundial feminino

A seleção feminina de handebol estreou com vitória na segunda fase do Mundial da modalidade, que é realizado na Espanha, ao derrotar a Áustria nesta quarta-feira (8) por 38 a 31. Foi o quarto triunfo em quatro jogos das Leoas, como é conhecida a equipe brasileira, campeã do mundo há oito anos e que busca o bicampeonato.

🇧🇷🆚🇦🇹 Brazil cruise to a win over Austria, 38:31, and remain undefeated at #Spain2021 🔥 #sheloveshandball pic.twitter.com/1QulISe5Cj

— International Handball Federation (@ihf_info) December 8, 2021

O Brasil volta a quadra nesta sexta-feira (10), às 14h30 (horário de Brasília), contra a Argentina, outra vez na localidade espanhola de Torrevieja. Se vencer garante uma das duas vagas do Grupo 4 às quartas de final.

A chave reúne seis equipes, sendo três classificadas do Grupo G (Brasil, Japão e Croácia) e três do Grupo H (Áustria, Argentina e Espanha). As brasileiras iniciaram a segunda fase já com os quatro pontos obtidos nas vitórias sobre japonesas e croatas, a quem não voltam a enfrentar. O triunfo para cima das austríacas levou as Leoas aos seis pontos, na liderança do Grupo 4, podendo dividi-la com as espanholas, caso as anfitriãs batam as orientais ainda nesta quarta.

Tamires Araújo, com seis gols, foi a artilheira brasileira na partida e também eleita a melhor em quadra. Mais 12 jogadoras balançaram as redes no jogo, sendo dez de linha – Bruna de Paula, Giulia Guarieiro (ambas cinco gols), Jéssica Quintino, Adriana Doce (ambas quatro), Patrícia Matieli (três), Francielle da Rocha, Ana Paula Belo (ambas dois), Mariane Fernandes, Larissa Araújo e Thais Fermo (todas um) – e as goleiras Babi Arenhart (três) e Renata Arruda (um).

As Leoas foram superiores na maior parte do jogo. No primeiro tempo chegaram a abrir seis gols de frente, mas cederam a reação à Áustria, que empatou em 15 a 15 pouco antes do intervalo. Na segunda etapa o Brasil aproveitou as infrações cometidas pelas rivais, que rendiam dois minutos com uma atleta a mais. Para não ficarem em inferioridade na linha as europeias passavam esse tempo atuando sem a goleira, o que possibilitou vários gols com a meta desprotegida e a construção de uma vantagem que, desta vez, foi administrada pelas brasileiras.

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp