25°C
Overcast clouds

Lira afirma que não há crise entre os Poderes e que caso do deputado preso é ponto fora da curva

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), afirmou que não há crise entre os Poderes e que o caso do deputado Daniel Silveira (PSL-RJ), preso por decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes por ataques à instituição, é um “ponto fora da curva”.

Lira disse que vai conduzir com equilíbrio a sessão da Câmara desta sexta-feira (19) que pode manter ou não a prisão do deputado. Ele declarou ainda que o Plenário é soberano para decidir e que não cabe a ele, como presidente, fazer qualquer análise sobre o placar do julgamento.

Arthur Lira se reuniu na noite desta quinta-feira (18), no STF, com o presidente do tribunal, Luiz Fux, e o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco. Lira afirmou que não tratou com Fux sobre a situação de Daniel Silveira.

“Foi uma conversa cordial, harmônica e respeitosa, onde não foi tratado nenhum assunto específico, lateral que esteja acontecendo em razão de decisões do STF e do Legislativo. Esta fase inaugura um clima que buscamos, e estamos dando provas disso com sensatez e calma e relações de respeito mútuo”, disse Lira.

“Cada Poder tem a sua atribuição, não faço julgamento de como vai ser o placar: a mim cabe ter o equilíbrio necessário para conduzir o processo, e o Plenário é quem decidirá com tranquilidade. A independência entre os Poderes preconiza isso”, afirmou.

Câmara realiza sessão nesta sexta para decidir sobre prisão do deputado Daniel Silveira
Conselho de Ética inicia análise do caso Daniel Silveira na terça
Diálogo
Rodrigo Pacheco, por sua vez, reafirmou a necessidade de pacificação, de diálogo e de consenso entre os Poderes como instrumento de soluções para os problemas do País.

“A democracia do Brasil está firme e forte, e o ambiente é de paz e de busca de consenso para uma boa convivência e para fortalecer o Estado democrático de Direito”, defendeu Pacheco.

Entenda o caso
Daniel Silveira foi preso em flagrante pela Polícia Federal na noite de terça-feira (16) no âmbito de inquérito no STF que investiga notícias falsas (fake news). Ele gravou e divulgou vídeo em que faz críticas aos ministros do Supremo e defende o Ato Institucional nº 5 (AI-5).

Na ordem de prisão, o ministro do STF Alexandre de Moraes considerou gravíssimo o episódio da divulgação do vídeo e disse que são “imprescindíveis medidas enérgicas para impedir a perpetuação da atuação criminosa de parlamentar visando lesar ou expor a perigo de lesão a independência dos Poderes instituídos e ao Estado democrático de Direito”.

Defesa de Daniel Silveira diz que prisão é um violento ataque à sua imunidade
Segundo nota divulgada pela defesa de Daniel Silveira, “a prisão do deputado representa não apenas um violento ataque à sua imunidade material, mas também ao próprio exercício do direito à liberdade de expressão e aos princípios basilares que regem o processo penal brasileiro”.

A Constituição estabelece que deputados e senadores são invioláveis, civil e penalmente, por opiniões, palavras e votos e não poderão ser presos, salvo em flagrante de crime inafiançável. Nesse caso, os autos serão remetidos à Casa respectiva, para que a maioria absoluta decida, em voto aberto, sobre a prisão. – Câmara dos Deputados – YWD 986182

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp