24°C
Clear sky

Pokemón completa 25 anos com novos games

O aniversário de 25 anos de Pokémon, completados no último sábado (27), foi celebrado pela Pokémon Company com a revelação de dois novos jogos, ambos com histórias situadas na fictícia região de Sinnoh. O maior destaque é Pokémon Legends: Arceus. Mas, antes de comentar sobre ele, vale falar do outro título anunciado.

Pokémon Brillant Diamond/Shining Pearl (Switch), com lançamento previsto para o fim deste ano, é o esperado remake da quarta geração, Diamond & Pearl, lançado originalmente em 2006 para o Nintendo DS. Os fãs esperavam pela volta da região de Sinnoh desde Pokémon Omega Ruby e Alpha Saphire que, em 2014, trouxeram de volta a região de Hoenn no Nintendo 3DS. A novidade chega com um detalhe interessante: pela primeira vez, um jogo da série principal (ou remake dele) não está sendo feito pela Game Freak, e sim por um estúdio japonês até então desconhecido, o ILCA. Trata-se de uma cópia quase exata do original, na qual a principal mudança é o visual aprimorado em perspectiva isométrica. Este promete ser o primeiro título do ILCA que, até então, só havia dado suporte a games de companhias diversas, como Ace Combat 7: Skies Unknown, Dragon Quest XI e Yakuza 0. Todo o desenvolvimento será supervisionado pela Game Freak, com a participação dos diretores dos jogos originais Junichi Masuda e Yuichi Ueda.

A Game Freak, vale lembrar, é a criadora original das aventuras de Pikachu e companhia, tendo desenvolvido o primeiro jogo da série, Pokémon Red e Green, publicado pela Nintendo. Com uma fórmula inovadora, o game não só deu sobrevida ao videogame portátil Game Boy, que parecia viver seus últimos anos, como deu início a um império dos negócios que já superou os US$ 100 bilhões de dólares (aproximadamente R$ 560 bilhões).

A receita deu tão certo que a Game Freak a repetiu em todos as sequências, com pequenas modificações e tímidas evoluções de visual. O sucesso de crítica e vendas se manteve. O título mais recente, Sword & Shield, ultrapassou a marca de 20 milhões de unidades, atrás apenas dos clássicos do Game Boy Pokémon Gold/Silver (23,1 mi) e Pokémon Red/Blue (31,68 mi).

Ainda assim, ao menos para os mais antigos fãs, Pokémon cada vez mais parece mais do mesmo. A inovação ficou restrita a outros games licenciados pela Pokémon Company, como Pokémon Snap e mais recentemente Pokémon Go. Da Game Freak, a maior novidade nos últimos anos foi o novo método de captura e encontro de monstrinhos selvagens introduzidas no spin-off Let´s go Pikachu/Let´s Go Eevee. Algumas destes atributos foram depois implementados em Pokémon Sword & Shield e nas expansões Isle of Armor e The Crown Tundra.

Agora, a Game Freak aposta em um novo game derivado para testar novas mecânicas de jogo. Pokémon Legends: Arceus (Switch), previsto para 2022, parece ter buscado inspiração em um outro sucesso da Nintendo, The Legend of Zelda: Breath of The Wild (BotW). A julgar pelo trailer divulgado, a ideia é deixar de lado a mecânica baseada em turnos e apostar em capturas e batalhas em tempo real. Tudo isso em um vasto mapa de mundo aberto da região de Sinnoh (que, por sua vez, é baseada na ilha de Hokkaido, no norte do Japão).

As possibilidades são muitas e há vários anos são discutidas pelos fãs. É fácil se empolgar depois de assistir às imagens exibidas, embora elas mais realçem perguntas do que entreguem respostas sobre o game. Um detalhe, porém, não passou despercebido por muita gente: o visual do game ainda parece aquém do que o Switch é capaz de entregar, vide títulos como Link´s Awakening, Super Mario Odyssey ou o próprio BotW. Essa é, aliás, uma crítica recorrente nos jogos da série, principalmente naqueles mais recentes (e que também recaiu sobre o remake anunciado na semana passada).

Não mexer em time que está ganhando talvez seja parte do segredo que explica o sucesso da franquia Pokémon ainda nos dias de hoje, capaz de continuar encantando novas gerações de consumidores. Para quem viveu ao máximo a febre Pokémon nos anos iniciais, como eu, é difícil não sentir um certo ceticismo frente a tanto conservadorismo da Game Freak. Torço para que sejamos surpreendidos desta vez. – Guilherme Neto – Apresentador do quadro Fliperama, no programa Stadium, da TV Brasil. A coluna é publicada às quintas-feiras – YWD 987855

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp