23°C
Scattered clouds

Prefeitura de Goiânia tenta aliviar frio de pessoas em situação de rua

Estão sendo distribuídos lanches, cobertores, moletons e até hospedagem em hotel, mas com triagem

A partir desta quarta-feira (28/7), as temperaturas voltam a cair em Goiânia por conta de uma nova onda de frio que, segundo informações do Cimehgo, chega inicialmente pelo Sul do país, atingindo o Sudeste e o Centro-Oeste.

Diante disso, o prefeito Rogério Cruz determinou que a iniciativa idealizada pela primeira-dama, Thelma Cruz, e pelo secretário de Desenvolvimento Humano e Social, Zé Antônio, de amparo a pessoas em situação de vulnerabilidade social seja intensificada.

Equipes da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Humano e Social (SEDHS) estarão nas ruas distribuindo alimentos, máscaras, moletons e cobertores.

Segundo o secretário Zé Antônio, as equipes do Serviço Especializado de Abordagem Social (SEAS) e o Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua (Centro POP) realizam busca ativa nos principais pontos de concentração da população em situação de rua em Goiânia.

“Vamos intensificar os trabalhos nesses dias de frio visando dar conforto e proteger àqueles que mais necessitam e que estão nas ruas de Goiânia”, disse Zé Antônio. Ele explica que, em caso de recusa ao convite de irem para o hotel, as pessoas vão receber cobertores, alimentação e moletons.

De acordo com a primeira-dama, Thelma Cruz, a ação leva cuidado e amparo aos mais vulneráveis. “A gestão Rogério Cruz visa atender a todos com seriedade e respeito, garantindo cuidado e dignidade”, destacou Thelma Cruz.

A pasta lembra que o Centro POP distribui, todos os dias, refeições para as pessoas em situação de rua e realiza encaminhamentos para atendimentos de saúde.

Hotel

A prefeitura também está disponibilizando um hotel para moradores de ruas, mas neste caso é feita uma triagem pela SEAS, para saber se a pessoa faz parte do perfil oferecido e se aceita o convite para a hospedagem com pernoite, jantar, café da manhã e almoço, pois a ida não é obrigatória.

Fonte: Hiago Miguel, da editoria de Desenvolvimento Humano e Social

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp