21°C
Scattered clouds

Programa do Governo Federal apoia estados e municípios na promoção de moradia digna para a população

Empenhado em promover o acesso à moradia digna para a população de baixa renda, o Governo Federal, por meio do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), aprovou, neste ano, 12 projetos apresentados por cidades brasileiras no âmbito do Programa Pró-Moradia em 2021. R$ 174,6 milhões poderão ser financiados, em recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), para ações de regularização fundiária, melhorias habitacionais, urbanização integral ou parcial e intervenções estruturantes.

“O Pró-Moradia apoia estados e municípios para que sejam executadas obras de empreendimentos habitacionais e ações de urbanização e regularização de assentamentos precários. Ele visa, justamente, melhorar as condições de moradias em favelas, palafitas, loteamentos informais, cortiços ou conjuntos já degradados”, explica o secretário nacional de Habitação do MDR, Alfredo dos Santos.

A cidade brasileira com mais projetos selecionados neste ano é Curitiba, no Paraná, onde quatro comunidades serão beneficiadas. Na Vila Cajuru 5B Q16, R$ 1,8 milhão poderão ser usados em obras de infraestrutura, como pavimentação, drenagem, redes de abastecimento de água e de esgotamento sanitário, além de regularização fundiária.

Na Vila Palmeiras, serão investidos R$ 6,2 milhões nas melhorias, que incluem a complementação da infraestrutura urbana necessária para conclusão da regularização fundiária, além da execução de obras de infraestrutura e o reassentamento de 28 famílias no empreendimento Moradias Cambará. Outras 114 famílias serão contempladas com obras de urbanização.

Na Vila Ferrovila 4/5B, as ações preveem a complementação da infraestrutura urbana para concluir o processo de regularização fundiária, a realocação de 54 famílias que vivem em condições precárias na região, além de beneficiar outras 249 famílias com obras de urbanização. Até R$ 13,5 milhões poderão ser financiados para essa iniciativa.

Já na Vila Divino, localizada no bairro Atuba, o financiamento aprovado de R$ 9,5 milhões será destinado à construção de 105 unidades habitacionais, recuperação de área degradada, trabalho social e ações de regularização fundiária.

“O Programa Pró-Moradia vai nos ajudar a entregar as casas, tornando o MDR um benfeitor de Curitiba e saneador da injustiça social que ocorre às margens do Rio Iguaçu”, afirmou o prefeito de Curitiba, Rafael Greca.

Ainda no Paraná, outros três projetos foram selecionados pelo MDR. Dois vão ocorrer na cidade de Campo Largo. No Jardim Melyane, até R$ 5,42 milhões poderão ser financiados para ações de pavimentação e drenagem, produção de 18 unidades habitacionais, recuperação de área degradada, construção de equipamento público de lazer e regularização fundiária de imóveis de 390 famílias.

Já no Jardim Novo Horizonte, até R$ 3,5 milhões poderão ser captados para intervenções de pavimentação, drenagem e de esgotamento sanitário. Serão construídas 17 moradias, recuperada área degradada e instalado equipamento público de esporte, além de ocorrer a regularização fundiária de 190 moradias.

O terceiro projeto no Paraná será realizado em São José dos Pinhais. Na ação, 140 famílias da comunidade Jardim Modelo poderão ser reassentadas na própria região e outras 284 serão beneficiadas com obras de infraestrutura completa, como dique de contenção de cheias. Os financiamentos nessa comunidade serão de R$ 38,7 milhões e a modalidade selecionada do Pró-Moradia foi intervenção estruturante.

Sergipe

O maior aporte para projetos selecionados pelo Pró-Moradia em 2021 será para obras de urbanização em duas comunidades de Aracaju, em Sergipe. Serão financiados R$ 80,7 milhões pela capital sergipana em ações que irão beneficiar cerca de 1.350 famílias.

Na comunidade Nova Olaria, o valor de financiamento é de R$ 49,9 milhões. A intervenção prevê a construção de 612 moradias, a implantação de infraestrutura com abastecimento de água, esgotamento sanitário, drenagem, pavimentação, iluminação pública e construção de via de contenção, além da regularização fundiária. 

Já na comunidade Recanto da Paz, o valor de financiamento será de R$ 30,7 milhões. Estima-se que quase 3 mil pessoas habitem a região, que começou a ser ocupada na década de 1980. Estão previstas no projeto melhorias em 735 residências, obras de pavimentação, drenagem, redes de abastecimento de água e esgotamento sanitário e equipamento público de lazer, além da regularização fundiária e trabalho social com os moradores.

Representante da Associação de Moradores da Comunidade Recanto da Paz, Eduardo Santos Silva destacou a perspectiva de progresso na região. “Temos um esgoto a céu aberto, as ruas não têm pavimentação, aí tem dengue, ratos… Mas vai melhorar 100%. É um sonho a ser realizado. Eu nasci nesta comunidade e nunca vi essa urbanização. Hoje, chegando esse progresso, é uma felicidade muito grande para todos os moradores”.

Minas Gerais e Maranhão

Os dois últimos projetos selecionados foram divulgados pelo MDR neste mês de novembro. A cidade de Varginha, em Minas Gerais, está autorizada a financiar até R$ 1,1 milhão para obras de qualificação urbana. Os recursos serão usados na construção de 16 moradias para famílias de baixa renda que residem, atualmente, em locais insalubres no bairro Jardim Sion. A ação também prevê a realização de trabalho social com as famílias beneficiadas.

Já a cidade de Barra do Corda, no Maranhão, poderá captar até R$ 2 milhões. As ações previstas são assessoria e consultoria técnica, levantamentos, serviços cartográficos, treinamento de servidores municipais, aquisição de equipamentos de topografia, elaboração de projetos de infraestrutura e trabalho social envolvendo 800 famílias moradoras do bairro de Nossa Senhora das Dores.

Sobre o Pró-Moradia

O Programa do Governo Federal apoia estados e municípios, por meio de financiamentos com recursos do FGTS, na execução de empreendimentos e ações de urbanização e regularização de assentamentos precários.

Estão permitidas propostas de cinco tipos de alternativas que serão analisadas e selecionadas pelo próprio município ou estado. São elas: regularização fundiária, melhorias habitacionais, urbanização integral ou parcial e intervenção estruturante.

Os projetos devem ter valor de financiamento mínimo de R$ 1 milhão e máximo de R$ 50 milhões, e o ente público deve aportar contrapartida de, no mínimo, 5% do valor de investimento total. 

Cada ente público pode apresentar até quatro propostas. A taxa de juros é de 5% ao ano, mais 3% ao ano de encargos financeiros. São quatro anos para execução e até 20 anos para efetuar o pagamento. 

O processo de seleção é contínuo, ou seja, as propostas podem ser apresentadas a qualquer momento, por meio do preenchimento de carta-consulta on-line no SELEHAB, sistema para cadastramento e seleção de propostas junto aos programas habitacionais sob gestão da Secretaria Nacional de Habitação – com exceção do Programa Minha Casa, Minha Vida. 

Modalidades

São cinco tipos de intervenções possíveis dentro da modalidade Urbanização e Regularização Fundiária que o estado ou município deverá avaliar e selecionar conforme as necessidades da área:

– Regularização fundiária: contempla ações para regularização fundiária da área, elaboração de projetos de infraestrutura e trabalho social.
– Melhorias habitacionais: contempla elaboração de projetos, aquisição de material de construção e mão de obra para a realização de melhorias habitacionais (desde que em áreas passíveis de regularização), aluguel provisório durante o período de obras e trabalho social.
– Urbanização integral: contempla ações integradas que incluem elaboração de projetos, infraestrutura urbana, reforma ou produção de novas moradias, equipamentos públicos, recuperação ambiental, contenção de riscos, trabalho social e regularização fundiária.
– Urbanização parcial: contempla o mesmo rol de ações de urbanização integral, porém destina-se a contemplar intervenções anteriores ou iniciar a atuação em áreas muito complexas, que necessitem intervenções em “camadas”.
– Intervenção estruturante: contempla o mesmo rol de ações da urbanização integral, porém admite incluir componente de obra cujos benefícios são mais amplos que o perímetro do assentamento precário, alcançando também o entorno ou mesmo a cidade como um todo.

Projetos selecionados pelo Pró-Moradia em 2021

Varginha (MG) – Urbanização parcial na Vila Vicentina – Jardim Sion – R$ 1,1 milhão 
Barra do Corda (MA) – Regularização fundiária na Nossa Senhora das Dores – R$ 2 milhões 
Aracaju (SE) – Urbanização integral na Comunidade Nova Olaria – R$ 49,9 milhões 
Aracaju (SE) – Urbanização integral na Comunidade Recanto da Paz – R$ 30,7 milhões 
Camaçari (BA) – Melhorias Habitacionais em Nova Vitória – R$ 12,3 milhões 
Curitiba (PR) – Urbanização Parcial na Vila Cajuru 5B Q16 – R$ 1,8 milhões 
Curitiba (PR) – Urbanização integral na Vila Palmeiras – R$ 5,9 milhões 
Curitiba (PR) – Urbanização integral na Vila Ferrovila 4/5B – R$ 13,5 milhões 
Curitiba (PR)* – Urbanização integral na Vila Divino – R$ 9,8 milhões 
Campo Largo (PR) – Urbanização parcial no Jardim Melayne – R$ 5,4 milhões 
Campo Largo (PR) – Urbanização parcial no Jardim Novo Horizonte – R$ 3,5 milhões 
São José dos Pinhais (PR) – Intervenção estruturante no Jardim Modelo – R$ 38,7 milhões 

*Selecionado em 31 de dezembro de 2020 para ações em 2021

Com informações do Ministério de Desenvolvimento Regional

 

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp