26°C
Overcast clouds

Saiba como descobrir e prevenir a hipertensão arterial

A hipertensão arterial, conhecida como pressão alta, é uma doença crônica que ocorre quando a pressão sanguínea nas artérias é persistentemente elevada. A doença se caracteriza por valores das pressões máxima e mínima iguais a ou maiores que 140/90 mmHg (ou 14 por 9). O número de óbitos por hipertensão arterial vem crescendo a cada ano no Brasil. Em 2015, foram registradas 47.288 mortes. Em 2019, o número saltou para 53.022.

Essa “pressão arterial” diz respeito à força que o sangue faz sobre as artérias para conseguir circular pelo organismo e se divide em dois tipos: sistólica e diastólica. A pressão sistólica é aquela exercida sobre os vasos sanguíneos no momento de contração dos músculos do coração e, em níveis normais, chega a até 120 mmHg (como explicado anteriormente, os níveis são considerados elevados quando passam de 140 mmHg).

A pressão diastólica (exercida sobre os vasos sanguíneos no momento de relaxamento do coração) em níveis normais é de 80 mmHg e, em níveis altos, passa dos 90 mmHg. Resumidamente: se a pressão é maior que 14 por 9, isso significa que o coração está se esforçando excessivamente para que o sangue chegue até todo o corpo.

Uma doença silenciosa

O assessor científico da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (Socesp), Rui Póvoa, explica que a hipertensão arterial é uma doença silenciosa e sem sintomas que, justamente por isso, se torna perigosa: “É uma doença sorrateira, que se instala anonimamente e só dá as caras depois de prejudicar o funcionamento do cérebro, coração, rins e outros sistemas do corpo”.

Geralmente, os sintomas da hipertensão aparecem apenas quando a pressão sobe muito e/ou quando o paciente já está exposto à doença por muitos anos, podendo manifestar-se na forma de dores no peito, dor de cabeça, tonturas, zumbido no ouvido, fraqueza, visão embaçada e sangramento nasal.

“A maior preocupação é a gestão destes pacientes, pois a hipertensão é uma doença absolutamente assintomática. Por não ter sintomas, eles não reconhecem a hipertensão, e boa parte desses pacientes segue a vida e só toma conhecimento do problema depois que a doença já causou estragos”, explica Póvoa.

Por ser uma doença assintomática, medir a pressão regularmente é a única maneira de diagnosticar a hipertensão: pessoas acima de 20 anos de idade devem medir a pressão ao menos uma vez por ano. Se o paciente tiver familiares hipertensos, a medição deve ocorrer ao menos duas vezes por ano.

Atalho para outras doenças

A hipertensão, de acordo com Póvoa, é “um atalho e tanto” para doenças cardiovasculares — principal causa de morte, hospitalizações e atendimentos ambulatoriais no mundo, doenças renais crônicas (DRCs) e morte prematura. “Em 2019, o DataSUS apurou a ocorrência de 1.314.103 óbitos no Brasil. Desse total, 27,7% eram decorrentes de doenças cardiovasculares. Por sua vez, a hipertensão estava associada a 45% destas mortes cardíacas.”

Novas diretrizes

Segundo Póvoa, os números da pressão alta no país fizeram com que, em 2020, a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) apresentasse uma nova diretriz para classificar a hipertensão arterial.

Ainda é considerada hipertensa a pessoa com pressão maior ou igual a 14 por 9. O novo parâmetro, porém, classifica como pré-hipertenso o indivíduo com pressão máxima entre 13 e 13,9 e mínima entre 8,5 e 8,9.

A pressão ideal agora é a que registra números abaixo de 12 por 8. As faixas entre 12 e 12,9 e 8 e 8,4 são consideradas normais, mas não ótimas. Por isso, aqueles que registram esses parâmetros serão orientados a iniciar o controle.

Causas e tratamento

A hipertensão é hereditária em 90% dos casos, mas há vários fatores que influenciam nos níveis de pressão arterial e estão associados ao desenvolvimento da doença, como obesidade, histórico familiar, estresse e envelhecimento.

O melhor caminho para prevenir e controlar a doença é a adoção de hábitos saudáveis, como reduzir o consumo de sal; consumir diariamente frutas, legumes e hortaliças; evitar alimentos processados e ultraprocessados; não fumar; beber com moderação; e praticar atividades físicas.

A pressão alta não tem cura, mas tem tratamento e pode ser controlada. Somente o médico poderá determinar o melhor tratamento para cada paciente. “Apesar das consequências graves, o diagnóstico e tratamento de hipertensos é relativamente simples e eficaz, com mudanças no estilo de vida e introdução de medicamentos anti-hipertensivos, que causam pouco ou nenhum efeito adverso”, esclarece Póvoa.

 

Com informações do Ministério da Saúde

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp