23°C
Scattered clouds

Superávit da balança sobe 24,8% e chega a US$ 57,44 bilhões no ano

A balança comercial atingiu superávit de US$ 57,44 bilhões no acumulado do ano, até a terceira semana de novembro, com alta de 24,8% pela média diária, sobre o período de janeiro a novembro de 2020. Já a corrente de comércio (soma das exportações e importações) chegou a US$ 441,48 bilhões, com crescimento de 37,1%.

As exportações em 2021 já somam US$ 249,46 bilhões, com aumento de 35,5%, enquanto as importações subiram 39,1% e totalizam US$ 192,02 bilhões. Os dados foram divulgados nessa segunda-feira (22/11) pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério da Economia.

No acumulado do mês, as exportações cresceram 31,2% e somaram US$ 13,66 bilhões, enquanto as importações subiram 65,1% e totalizaram US$ 14,72 bilhões. Dessa forma, a balança comercial registrou déficit de US$ 1,06 bilhão, e a corrente de comércio alcançou US$ 28,38 bilhões, subindo 46,9%.

Apenas na terceira semana de novembro, as exportações somaram US$ 4,112 bilhões, enquanto as importações foram de US$ 4,931 bilhões, resultando em um déficit de US$ 819 milhões. A corrente de comércio foi de US$ 9,043 bilhões.

Exportações no mês

Nas exportações, comparadas a média diária até a terceira semana deste mês (US$ 1,138 bilhão) com a de novembro de 2020 (US$ 867,25 milhões), houve crescimento de 31,2%, com aumento nas vendas da Indústria Extrativista (+13,2%), da Indústria de Transformação (+38,1%) e da Agropecuária (+34,5%).

Na Indústria Extrativista, os destaques foram as vendas de óleos brutos de petróleo ou de minerais betuminosos, crus (+43,5%); minérios de alumínio e seus concentrados (+174,1%); pedra, areia e cascalho (+244,6%) e outros minerais em bruto (+29,1%).

Já na Indústria de Transformação, o crescimento foi puxado pelas vendas de produtos semiacabados, lingotes e outras formas primárias de ferro ou aço (+230,3%); carnes de aves e suas miudezas comestíveis, frescas, refrigeradas ou congeladas (+58,3%); açúcares e melaços (+27,9%); gorduras e óleos vegetais, “soft”, bruto, refinado ou fracionado (+962,9%) e instalações e equipamentos de engenharia civil e construtores, e suas partes (+165,7%).

Entre os produtos agropecuários, a alta das exportações refletiu, principalmente, o crescimento nas vendas de soja (+211,6%); café não torrado (+12,1%); frutas e nozes não oleaginosas, frescas ou secas (+30,4%); especiarias (+118,7%) e produtos hortícolas, frescos ou refrigerados (+33,9%).

Importações no mês

Nas importações, a média diária até a terceira semana de novembro de 2021 (US$ 1,226 bilhão) ficou 65,1% acima da média de novembro do ano passado (US$ 742,83 milhões). Nesse comparativo, aumentaram principalmente as compras da Indústria de Transformação (+53,3%), da Agropecuária (+77,5%) e, também, de produtos da Indústria Extrativista (+282,1%).

Na Indústria de Transformação, o aumento das importações foi puxado pelo crescimento nas compras de adubos ou fertilizantes químicos, exceto fertilizantes brutos (+171,4%); óleos combustíveis de petróleo ou de minerais betuminosos, exceto óleos brutos (+212,2%); medicamentos e produtos farmacêuticos, exceto veterinários (+162,5%); válvulas e tubos termiônicas, de cátodo frio ou foto-cátodo, diodos, transistores (+69,4%) e motores e máquinas não elétricos, e suas partes, exceto motores de pistão e geradores (+136,4%).

Na Agropecuária, a alta ocorreu, principalmente, pela compra de milho não moído, exceto milho doce (+443,4%); trigo e centeio, não moídos (+120,7%); pescado inteiro vivo, morto ou refrigerado (+143,6%); cevada, não moída (+395%) e látex, borracha natural, balata, guta-percha, guaiúle, chicle e gomas naturais (+58,9%).

Por fim, na Indústria Extrativista a alta nas importações se deve, principalmente, à compra de gás natural, liquefeito ou não (+962%); carvão, mesmo em pó, mas não aglomerado (+290,9%); óleos brutos de petróleo ou de minerais betuminosos, crus (+159,2%); outros minérios e concentrados dos metais de base (+82%) e outros minerais em bruto (+59,8%).

Veja os principais resultados da balança

 

Com informações do Ministério da Economia

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp