29°C
Clear sky

Surdolimpíada se encerra com medalhas, recorde e muita comemoração

Atletas de todo o país disputaram a Surdolimpíada Nacional, competição que se encerrou na terça-feira (7/12). Foram 740 atletas, sendo 280 mulheres e 470 homens, além de 60 profissionais de apoio para uma disputa de 15 modalidades que teve início no último sábado (4/12), em São José dos Campos (SP). A competição nacional voltada para os atletas surdos é uma parceria entre o Governo Federal e a Confederação Brasileira de Desporto de Surdos (CBDS).

São Paulo se consagrou o grande vencedor da disputa com 42 medalhas: 24 de ouro, 11 de prata e sete de bronze. O segundo lugar geral na Surdolimpíada ficou com o Rio de Janeiro, que somou dez ouros numa campanha de 21 medalhas. O Rio Grande do Sul foi o terceiro, com oito ouros, sete pratas e sete bronzes, totalizando 22 pódios.

Destaques

A gaúcha Aline Bieger saiu da pista de atletismo com três medalhas de ouro no pescoço. A atleta venceu os 100m, os 200m e os 400m com folga. Já na natação, o nadador santista Guilherme Maia Kabbach saiu com seis medalhas de ouro da competição e com recorde nacional batido em todas as provas. “Foi gratificante para mim essa Surdolimpíada Nacional. Consegui conquistar todos os recordes em todas as provas. Só estava faltando os 50m e 100m peito, que agora são meus. Agora vamos rumo à Surdolimpíada Internacional em 2022”, comemorou o atleta.

A disputa do xadrez terminou de forma inusitada: após um empate triplo, as medalhas de ouro, prata e bronze foram definidas por um sorteio. O ponto mais alto do pódio ficou com Maria Carolina Bonfim, do Paraná. A medalha de prata foi para Aline Souza Silva, de São Paulo, e o bronze para Giselle Pereira Gama Garcia, do Ceará.

Investimento

O Governo Federal investiu R$ 1,2 milhão para garantir a realização do evento, com R$ 800 mil do orçamento do ministério da Cidadania e R$ 400 mil em emendas parlamentares. “No evento nacional, o Governo Federal entra diretamente como um dos maiores patrocinadores, permitindo assim a execução dessa ação para que a população surda sinta-se estimulada para participar deste evento, assim como, de eventos futuros, não deixando apagar a cultura da participação esportiva”, enfatizou o secretário nacional de Paradesporto do Ministério da Cidadania, Agtônio Guedes Dantas

Deaflympics

A Surdolimpiada nacional serve como seletiva para montar as equipes que vão representar as seleções brasileiras para a Surdolimpíada Internacional, a Deaflympics. A competição internacional é um dos eventos mais antigos no calendário esportivo mundial, perdendo apenas para os Jogos Olímpicos. Em sua 24ª edição, a Surdolimpíada chega à América Latina e ao Brasil pela primeira vez desde 1924.

A competição vai acontecer em Caxias do Sul (RS) e será entre 1 e 15 de maio. O evento tem a expectativa de reunir cerca de 8 mil atletas para a disputa de 21 modalidades. Mais de 75 países já confirmaram participação.

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp